Jornal do Commercio
Tensão

Presidente chinês pede calma em conversa com Trump

Xi Jinping pediu a Trump que EUA e Coreia evitem palavras e ações que possam piorar o clima de tensão

Publicado em 12/08/2017, às 10h40

Trump tem pedido à China que aumente a pressão sobre a Coreia do Norte para interromper seu programa de armas nucleares / Foto: AFP
Trump tem pedido à China que aumente a pressão sobre a Coreia do Norte para interromper seu programa de armas nucleares
Foto: AFP
Estadão Conteúdo

O presidente chinês Xi Jinping fez um apelo neste sábado (12), durante ligação com o presidente Donald Trump, para que os ânimos sejam acalmados em relação às tensões entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, pedindo que ambos os lados evitem palavras e ações que possam piorar a situação.

A ligação ocorreu após Trump fazer uma nova rodada de ameaças contra a Coreia do Norte na sexta-feira, declarando que as forças armadas norte-americanas estão "prontas e carregadas" e alertando o líder norte-coreano Kim Jong Un de que ele "se arrependeria rapidamente" se fizesse algum tipo de ação contra territórios dos EUA ou de aliados.

Trump tem pedido à China que aumente a pressão sobre a Coreia do Norte para interromper seu programa de armas nucleares, que está próximo de ter a capacidade de atingir os EUA. A China é o maior parceiro econômico da Coreia do Norte, mas diz não ser capaz de, sozinha, fazer com que Pyongyang encerre o programa nuclear e de mísseis.



A televisão estatal da China informou que Xi disse a Trump que "as partes relevantes devem manter o controle e evitar palavras e gestos que possam exacerbar a tensão na Península da Coreia". Na sexta-feira, 'controle' não foi o termo escolhido por Trump quando ele fez uma série de afirmações não previstas, incluindo supostos limites que fariam os EUA atacar a Coreia do Norte.

Enquanto isso, o jornal norte-coreano Minju Joson fez duros ataques aos EUA em seu editorial de sábado. "O poderoso exército norte-coreano, capaz de lutar qualquer guerra que os EUA quiserem, está em standby para abrir fogo contra o território norte-americano, aguardando a ordem para um ataque final", afirmou o periódico. As declarações de ambas as partes aconteceram após uma semana em que as tensões chegaram a um ponto extremo.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM