Jornal do Commercio
Disputa

Irã reforça seu programa balístico em resposta a sanções dos EUA

O Departamento dos Estados Unidos considera o Irã o Estado número 1 com relação ao apoio ao terrorismo mundial

Publicado em 13/08/2017, às 14h16

Os dois países vivem em atritos frequentes desde a posse de Donald Trump na presidência americana / Foto: AFP
Os dois países vivem em atritos frequentes desde a posse de Donald Trump na presidência americana
Foto: AFP
AFP

O Parlamento iraniano respondeu às últimas sanções impostas pelos Estados Unidos, votando neste domingo (13) um aumento significativo dos recursos para seu programa balístico e para seu setor militar encarregado das operações no exterior, no total de pouco mais de meio bilhão de dólares.

Em um contexto de crescente atrito entre ambos os países desde a chegada de Donald Trump à Casa Branca, em janeiro deste ano, os deputados votaram - por esmagadora maioria - medidas para destinar 260 milhões de dólares para o "desenvolvimento do programa de mísseis" e uma quantia equivalente para a Força Qods, o braço externo dos Guardiães da Revolução (o Exército de elite do governo), informa a agência oficial de notícias Irna.

Em meados de julho, os EUA impuseram novas sanções jurídicas e financeiras contra pessoas e entidades iranianas ligadas ao programa balístico, proibido por uma resolução da ONU, assim como aos Guardiães da Revolução.

No final desse mesmo mês, o Congresso americano votou sanções contra Teerã, acusando o país de desenvolver seu programa balístico, de violar os direitos humanos e de apoiar grupos classificados como "terroristas" por Washington. Entre eles, está o Hezbollah libanês.

O Departamento de Estado americano considera o Irã o "Estado número 1 em apoio ao terrorismo" no mundo.

Reciprocidade

"Os americanos têm de saber que se trata apenas da nossa primeira ação", advertiu o presidente do Parlamento, Ali Larijani, após anunciar a votação das medidas para "confrontar as ações terroristas e aventureiras dos Estados Unidos na região".

Sem oposição, 240 deputados (dos 244 presentes) votaram a favor do projeto de lei. Depois do anúncio dos resultados, alguns parlamentares gritaram "Morte aos Estados Unidos". Agora, o texto precisa ser ratificado pelo Conselho dos Guardiães da Constituição.

O projeto votado hoje "é apoiado pelo Ministério das Relações Exteriores e pelo governo", disse neste domingo o vice-ministro iraniano das Relações Exteriores e negociador dos acordos do Irã com as grandes potências sobre o programa nuclear iraniano, Abas Araghchi.



"Faz parte de uma série de medidas propostas pelo comitê de supervisão do JCPOA (Joint Comprehensive Plan of Action) para enfrentar a recente lei do Congresso americano", acrescentou Araghchi.

O JCPOA é o nome do acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano firmado em Viena, em 14 de julho de 2015, entre o Irã e o P5+1. Este grupo é formado pelos cinco países integrantes do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Rússia e China), além de Alemanha.

Donald Trump critica este acordo com frequência e já o classificou como "horrível". Por enquanto, não fala em sua anulação.

Sem relações diplomáticas com os Estados Unidos desde 1980, o Irã garante que as últimas sanções americanas representam uma "violação" do acordo.

O texto votado hoje no Parlamento iraniano considera "todas as forças militares e dos serviços de Inteligência americanos como grupos terroristas" por seu "apoio implícito e explícito a grupos terroristas" e "a ditaduras e regimes que violam os direitos humanos fundamentais" no Oriente Médio.

O projeto de lei solicita à Chancelaria que publique uma lista com as pessoas que serão punidas para que seus bens sejam confiscados, e suas transações financeiras, bloqueadas, excluindo-se os delatores que revelarem "atividades ilegais, crimes, torturas e fraudes eleitorais" dos Estados Unidos.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM