Jornal do Commercio
SANÇÃO

EUA consideram restringir negociação de dívida da Venezuela

Medida seria punição contra o governo de Nicolás Maduro

Publicado em 23/08/2017, às 04h33

A proibição é designada para atingir o apoio de Maduro entre oficiais militares e empresas que possuem vínculos com a Venezuela. / Foto: Juan BARRETO / AFP
A proibição é designada para atingir o apoio de Maduro entre oficiais militares e empresas que possuem vínculos com a Venezuela.
Foto: Juan BARRETO / AFP
Estadão Conteúdo

O governo dos Estados Unidos está considerando restringir a negociação de dívida da Venezuela como forma de punição ao presidente Nicolás Maduro por atos contra a democracia no país, de acordo fontes próximas ao assunto.

O movimento, que não tem precedentes, poderia proibir temporariamente as instituições financeiras regulamentadas pelos EUA de comprar ou vender títulos emitidos em dólar pelo governo da Venezuela e pela estatal Petróleos de Venezuela SA (PdVSA), de acordo com uma fonte.

Outra fonte à par do assunto afirmou que a decisão final sobre a medida dependeria do presidente americano, Donald Trump. Uma opção que está sendo considerada é a de proibir a negociação em apenas algumas emissões da companhia estatal de petróleo para limitar seu acesso a fundos externos, disse uma terceira fonte.

A proibição seria o primeiro passo contra o sistema financeiro venezuelano desde que Trump prometeu "ações econômicas fortes e rápidas" contra Maduro por instalar no começo do mês um parlamento paralelo no país.

Até o momento, as sanções dos Estados Unidos atingiram dezenas de oficiais venezuelanos, proibindo-os de viajar para os EUA e congelando quaisquer bens no país por supostos abusos de direitos humanos e corrupção.



Na quarta-feira, o vice-presidente Michael Pence deve falar com estrangeiros venezuelanos residentes em Miami.

A proibição é designada para atingir o apoio de Maduro entre oficiais militares e empresas que possuem vínculos com a Venezuela, sem prejudicar imediatamente a população em geral, disse uma das fontes da reportagem.

O governo Maduro continua remunerando os títulos, apesar de sofrer a recessão mais profunda do mundo, recompensando os investidores tolerantes ao risco com os maiores rendimentos do mundo. Grandes gestores de fundos dos EUA dependem da dívida venezuelana em um momento em que a maioria dos países ricos oferece taxas de juros negativas. O governo venezuelano tem cerca de US$ 65 bilhões em dívida.

Dívida

Maduro priorizou os pagamentos da dívida internacional a todo custo, mesmo quando o país afundou em uma crise econômica e seu governo reduziu as importações de alimentos e remédios.

A negociação de títulos venezuelanos atraiu protestos no início deste ano, depois que o Goldman Sachs Group comprou US$ 2,8 bilhões em ações da estatal petrolífera. A oposição venezuelana acusou o banco de investimento de financiar a repressão de Maduro contra manifestantes pacíficos.

No início deste mês, o Credit Suisse Group, concorrente do Goldman Sachs, anunciou que proibiu seus agentes de comprar e vender determinados títulos venezuelanos devido ao risco de os negócios financiarem abusos de direitos humanos.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM