Jornal do Commercio
CRISE NA VENEZUELA

Líder chavista rejeita denuncia de Ortega no caso Odebrecht

Diosdado Cabello negou acusações da ex-procuradora-geral da Venezuela

Publicado em 24/08/2017, às 02h03

Cabello (centro) destacou ainda que a
Cabello (centro) destacou ainda que a "conta" de Ortega não bate, pois segundo a delação de Marcelo Odebecht, a construtora pagou 98 milhões de dólares em subornos na Venezuela, e apenas ele teria recebido 100 milhões.
Foto: JUAN BARRETO / AFP
AFP

O líder chavista Diosdado Cabello afirmou na noite desta quarta-feira que são falsas as acusações contra ele formuladas pela ex-procuradora-geral da Venezuela Luisa Ortega, que declarou no Brasil que o constituinte recebeu 100 milhões de dólares da Odebrecht.

"São mentirosas, falsas. Já disse um milhão de vezes: investiguem o que têm contra mim, investiguem, mas ela (Ortega) já não pode mais investigar nada porque não é mais procuradora", disse Cabello em seu programa de televisão semanal.

"Se pretendia dizer que (o presidente) Nicolás (Maduro) era dono de não sei o que dos Clap (programa estatal de importação e distribuição de alimentos), por que não investigou isto quando era a procuradora, minha rainha?! Parece que você está louca". 

Cabello destacou ainda que a "conta" de Ortega não bate, pois segundo a delação de Marcelo Odebecht, a  construtora pagou 98 milhões de dólares em subornos na Venezuela, e apenas ele teria recebido 100 milhões.



Ortega declarou nesta quarta-feira, em Brasília, que "no caso da Odebrecht detectamos que depositaram a Diosdado Cabello 100 milhões de dólares em uma empresa (...) espanhola denominada TSE Arietis, cujos proprietários são seus primos, Luis Alfredo Campos Cabello e Jesús Campos Cabello".

A ex-procuradora disse ter "muitas provas, e concretamente no caso relacionado à empreiteira Odebrecht, que comprometem muitos funcionários venezuelanos de alto escalão, começando pelo presidente da República", assim como dois de seus principais substitutos, "os membros da Assembleia Constituinte, Diosdado Cabello e Jorge Rodríguez".

"O Estado venezuelano desembolsou 300 bilhões de dólares por obras que atualmente estão paralisadas. Temos todos os elementos que comprometem, não apenas o presidente da República, mas também seu entorno: Diosdado Cabello, Jorge Rodríguez, Elías Jaua e outros".

Acusação

Cabello rebateu afirmando que não há presos na Venezuela pelo escândalo da Odebrecht porque os envolvidos foram extorquidos pelo marido de Ortega, o deputado chavista Germán Ferrer.

Segundo Cabello, Ferrer dirigia uma "rede de extorsão" a partir do Ministério Público quando sua mulher era a procuradora-geral.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM