Jornal do Commercio
CRISE NA VENEZUELA

Líder chavista rejeita denuncia de Ortega no caso Odebrecht

Diosdado Cabello negou acusações da ex-procuradora-geral da Venezuela

Publicado em 24/08/2017, às 02h03

Cabello (centro) destacou ainda que a
Cabello (centro) destacou ainda que a "conta" de Ortega não bate, pois segundo a delação de Marcelo Odebecht, a construtora pagou 98 milhões de dólares em subornos na Venezuela, e apenas ele teria recebido 100 milhões.
Foto: JUAN BARRETO / AFP
AFP

O líder chavista Diosdado Cabello afirmou na noite desta quarta-feira que são falsas as acusações contra ele formuladas pela ex-procuradora-geral da Venezuela Luisa Ortega, que declarou no Brasil que o constituinte recebeu 100 milhões de dólares da Odebrecht.

"São mentirosas, falsas. Já disse um milhão de vezes: investiguem o que têm contra mim, investiguem, mas ela (Ortega) já não pode mais investigar nada porque não é mais procuradora", disse Cabello em seu programa de televisão semanal.

"Se pretendia dizer que (o presidente) Nicolás (Maduro) era dono de não sei o que dos Clap (programa estatal de importação e distribuição de alimentos), por que não investigou isto quando era a procuradora, minha rainha?! Parece que você está louca". 

Cabello destacou ainda que a "conta" de Ortega não bate, pois segundo a delação de Marcelo Odebecht, a  construtora pagou 98 milhões de dólares em subornos na Venezuela, e apenas ele teria recebido 100 milhões.



Ortega declarou nesta quarta-feira, em Brasília, que "no caso da Odebrecht detectamos que depositaram a Diosdado Cabello 100 milhões de dólares em uma empresa (...) espanhola denominada TSE Arietis, cujos proprietários são seus primos, Luis Alfredo Campos Cabello e Jesús Campos Cabello".

A ex-procuradora disse ter "muitas provas, e concretamente no caso relacionado à empreiteira Odebrecht, que comprometem muitos funcionários venezuelanos de alto escalão, começando pelo presidente da República", assim como dois de seus principais substitutos, "os membros da Assembleia Constituinte, Diosdado Cabello e Jorge Rodríguez".

"O Estado venezuelano desembolsou 300 bilhões de dólares por obras que atualmente estão paralisadas. Temos todos os elementos que comprometem, não apenas o presidente da República, mas também seu entorno: Diosdado Cabello, Jorge Rodríguez, Elías Jaua e outros".

Acusação

Cabello rebateu afirmando que não há presos na Venezuela pelo escândalo da Odebrecht porque os envolvidos foram extorquidos pelo marido de Ortega, o deputado chavista Germán Ferrer.

Segundo Cabello, Ferrer dirigia uma "rede de extorsão" a partir do Ministério Público quando sua mulher era a procuradora-geral.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM