Jornal do Commercio
AFEGANISTÃO

Ataque do EI contra mesquita xiita de Cabul deixa ao menos 20 mortos

O ataque foi executado por pelo menos um homem-bomba e homens armados

Publicado em 25/08/2017, às 14h18

O grupo Estado Islâmico reivindicou a ação / Foto: WAKIL KOHSAR / AFP
O grupo Estado Islâmico reivindicou a ação
Foto: WAKIL KOHSAR / AFP
AFP

Pelo menos 20 pessoas morreram nesta sexta-feira (25) em um ataque contra uma mesquita xiita de Cabul, em plena oração semanal, reivindicado pelo grupo extremista sunita Estado Islâmico (EI), em um contexto de crescente piora da segurança na capital afegã.

Civis e membros das forças de segurança morreram, e outras 40 pessoas ficaram feridas, segundo um porta-voz do ministério do Interior, Najib Danish.

O ataque, que durou várias horas, foi executado por pelo menos um homem-bomba e homens armados.

O grupo EI reivindicou a ação através de seu órgão de propaganda Amaq.   

"Dois 'inghimasi' do Estado Islâmico executam um ataque contra uma husseiniya [lugar de culto xiita] no setor de Jair Jana, na cidade afegã de Cabul", afirmou a Amaq, usando o termo 'inghimasi' para aqueles que, além das armas, utilizam um cinto explosivo, que acionam como último recurso no combate.

"O ataque terminou e o lugar foi varrido pela polícia", declarou à AFP o porta-voz.

Segundo ele, os três agressores foram mortos. 

O fiéis reunidos do lado de fora da mesquita foram tomados pelo pânico e tentaram em vão achar seus familiares que permaneciam no interior.

"Nossos familiares estão presos no interior da mesquita. Os chamamos e eles não respondem. Achamos que eles foram feitos de reféns pelos agressores, estamos muito preocupados", disse um deles durante o ataque.

"Um agressor se explodiu e outros três conseguiram entrar na mesquita. Os combatentes precisam de munições e usam suas facas para atacar os fiéis", disse outra testemunha à AFP.



Mais de uma dezena de ambulâncias chegaram ao local, enquanto várias forças de segurança foram deslocadas para os arredores da mesquita.

Situação piora em Cabul
 

Este ataque acontece poucos dias depois da decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reforçar a presença militar americana no Afeganistão, em vez de apostar em uma retirada, como prometeu em sua campanha eleitoral.

Essa decisão foi celebrada como "histórica" pelo governo de Cabul enquanto os talibãs prometeram continuar com a jihad.

Para Trump, a retirada de tropas deixaria "um vácuo" que poderia ser aproveitado pelos "terroristas" da Al-Qaeda e do Estado Islâmico.

Sobre o terreno, Trump autorizou o deslocamento de outros 3.900 soldados, que se juntarão aos 8.400 que já se encontram no Afeganistão como parte de uma força internacional composta por 13.500 tropas.

Entretanto, a situação piorou nos últimos meses em Cabul, onde o último grande atentado aconteceu em 24 de julho, quando a explosão de um carro-bomba deixou 27 mortos e 40 feridos em um bairro da comunidade xiita. Este ataque foi reivindicado pelos talibãs.

A comunidade xiita, frequentemente alvo desses atentados, acusa as forças de segurança de não saber protegê-la. Os extremistas do EI reivindicaram no começo de agosto outro ataque durante uma oração contra uma mesquita xiita de Herat, que deixou 33 mortos.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM