Jornal do Commercio
Assembleia Constituinte

Constituinte da Venezuela denunciará opositores por 'traição à pátria'

A Constituinte decidiu nesta terça-feira (29) julgar por ''traição à pátria'' os opositores que promoveram sanções financeiras dos EUA contra o país

Publicado em 29/08/2017, às 23h28

Julgamento será iniciado ante um chamado do presidente Nicolás Maduro / Foto: JUAN BARRETO / AFP
Julgamento será iniciado ante um chamado do presidente Nicolás Maduro
Foto: JUAN BARRETO / AFP
AFP

A Assembleia Constituinte da Venezuela decidiu nesta terça-feira (29) julgar por "traição à pátria" os opositores que promoveram sanções financeiras dos Estados Unidos contra o país. 

Os constituintes aprovaram um decreto para iniciar "conjuntamente com os órgãos do Estado o julgamento histórico por traição à pátria contra os que promoveram estas ações imorais contra os interesses do povo venezuelano".

Embora o documento não mencione nenhum nome em particular, os constituintes que fizeram sua intervenção na sessão acusaram a direção opositora, principalmente o presidente do Parlamento, Julio Borges, e seu vice-presidente, Freddy Guevara.

"Sabemos que Freddy Guevara é um delinquente e tem que pagar, que Julio Borges é outro delinquente que tem que pagar, eles não têm pátria", disse a constituinte Iris Varela.

A Assembleia Constituinte também decidiu solicitar aos órgãos do Estado "o início imediato das respectivas investigações e processos para determinar a responsabilidade e as ações correspondentes" contra os acusados.

Segundo o decreto, o julgamento será iniciado ante um chamado do presidente Nicolás Maduro, que assinala Borges como principal responsável por impulsionar as sanções que proíbem "negociar novas dívidas emitidas pelo governo da Venezuela e a petroleira estatal" PDVSA.

Pena para traição à pátria

O crime de traição à pátria prevê uma pena de 20 a 30 anos de prisão, segundo o código penal. 

Maikel Moreno, presidente do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ, alinhado a Maduro), propôs em 15 de agosto à Constituinte elevar a pena máxima de traição à pátria a 50 anos de prisão.



Após o governo dos EUA anunciar medidas contra a administração de Maduro, a coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) anunciou, no domingo, que apoia qualquer sanção contra a administração de Maduro. 

O número dois do chavismo e constituinte Diosdado Cabello, que leu o decreto, disse que a oposição não apenas alenta as sanções econômicas, mas também "invasões", em referência à advertência de Trump sobre uma "opção militar" diante da grave crise política e econômica na Venezuela.

Borges também é investigado pela "comissão da verdade", uma instância da Constituinte que documenta a "violência política" desde que o chavismo chegou ao poder, em 1999.

"Traição à pátria é roubar dinheiro dos venezuelanos (...), traição à pátria é se ajoelhar diante de Cuba ou de qualquer outro governo estrangeiro, traição à pátria é ter venezuelanos comendo lixo nas ruas, gente morrendo porque não há remédios", declarou Borges à imprensa. 

Presidente do Parlamento venezuelano

O presidente do Parlamento - controlado pela oposição - é acusado por Maduro e funcionários de alto escalão do governo de promover as sanções dos Estados Unidos contra a Venezuela.

Na sexta-feira, um decreto da administração de Donald Trump proibiu negociar a dívida emitida pela Venezuela e sua petroleira estatal PDVSA. Neste mesmo dia, Maduro pediu a abertura de um julgamento por "traição à pátria" contra Borges e outros líderes opositores, por viagens que fizeram ao exterior em busca de apoio.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM