Jornal do Commercio
Venezuela

EUA condena que Constituinte na Venezuela julgue opositores

Administração de Trump ainda pediu que Venezuela dissolva a Assembleia Constituinte e que realize eleições 'livres'

Publicado em 30/08/2017, às 21h51

Trump proibiu na última sexta-feira, por decreto, que se negocie dívida emitida pelo governo venezuelano e pela estatal petroleira PDVSA / Alain Jocard/AFP
Trump proibiu na última sexta-feira, por decreto, que se negocie dívida emitida pelo governo venezuelano e pela estatal petroleira PDVSA
Alain Jocard/AFP
AFP

A administração de Donald Trump condenou nesta quarta-feira que a "ilegítima" Assembleia Constituinte na Venezuela julgue opositores e pediu ao governo de Nicolás Maduro que dissolva este órgão, liberte todos os "presos políticos" e realize eleições "livres".

"Os Estados Unidos condenam a convocação de julgamentos da oposição política por parte da ilegítima Assembleia Constituinte da Venezuela, incluindo membros da legislatura democraticamente eleita, por acusações de traição e suposta participação na crise econômica da Venezuela", indicou em comunicado a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert.

A Constituinte que rege a Venezuela com plenos poderes desde 4 de agosto anunciou na terça-feira que nesta quarta processaria por "traição à pátria" dirigentes opositores a quem acusa de promover as sanções dos Estados Unidos contra o país.

"Esta injustiça é só a mais recente de um esforço do regime de Maduro para debilitar a democracia, reprimir a dissidência política e semear o temor entre seus críticos", ressaltou Nauert.



"Representa outra ruptura na ordem constitucional da Venezuela", acrescentou.

Nesta quarta-feira, o Alto Comissariado para os Direitos Humanos da ONU afirmou que a democracia na Venezuela "apenas está viva, se ainda estiver viva", ao apresentar um relatório que acusa o governo venezuelano de "reprimir a dissidência política e infundir temor na população".

Washington atribuiu à severa escassez que vive no país ao governo de Maduro.

"A situação econômica da Venezuela é o resultado das políticas equivocadas e da corrupção do regime de Maduro, que tem responsabilidade direta pelo sofrimento do povo venezuelano", afirmou a declaração.

Trump proibiu na última sexta-feira, por decreto, que se negocie dívida emitida pelo governo venezuelano e pela estatal petroleira PDVSA, o que Maduro chamou de "brutal agressão" considerando-se a grave crise econômica do país.

"Instamos o governo venezuelano que realize eleições livres, justas e supervisionadas por observadores internacionais; que dissolva a ilegítima Assembleia Constituinte; que respeite a Constituição e as autoridades da Assembleia Nacional; que faça a liberação imediata e incondicional de todos os presos políticos; e que atenda as necessidades humanitárias do povo venezuelano", concluiu o texto do Departamento de Estado.

Segundo a oposição, na Venezuela há cerca de 590 "presos políticos".


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM