Jornal do Commercio
Clima

Um morto e um desaparecido no Haiti após passagem de Irma

Equipes de emergência também contabilizaram 17 feridos nos seis departamentos do Haiti afetados pelo Irma

Publicado em 11/09/2017, às 19h43

Irma provocou um grande aumento do nível das águas no nordeste do país e ventos fortes arrancaram os telhados de algumas casas precárias / LPHOTO JOEL ROUSE / MOD / AFP
Irma provocou um grande aumento do nível das águas no nordeste do país e ventos fortes arrancaram os telhados de algumas casas precárias
LPHOTO JOEL ROUSE / MOD / AFP
AFP

Um homem morreu e outro foi declarado desaparecido no Haiti devido às inundações provocadas pela passagem do furacão Irma, segundo o último boletim oficial, publicado nesta segunda-feira pelas autoridades haitianas.

Um homem idoso que tentava atravessar as águas durante a cheia de um rio na cidade de Mirebalais (centro) foi arrastado pela corrente no sábado, e as quatro pessoas que estavam com ele sobreviveram, indica o relatório emitido pelo Ministério do Interior.

O corpo do motorista de uma moto, de 35 anos, que também foi arrastado pelas águas de outro rio que transbordou na sexta-feira no mesmo departamento, ainda não foi encontrado.

As equipes de emergência contabilizaram 17 feridos nos seis departamentos haitianos afetados pelas inundações.

A trajetória do Irma se desviou levemente para o norte durante a quinta-feira, afastando-se das costas do Haiti, e os efeitos do furacão foram limitados no país mais pobre do Caribe, muito vulnerável aos incidentes climáticos.



O Irma provocou um grande aumento do nível das águas no nordeste do país e ventos fortes arrancaram os telhados de algumas casas precárias.

Cerca de 5.000 casas foram inundadas e 8.000 famílias, declaradas em situação catastrófica pelas autoridades do país, que disseram que as moradias dessas pessoas ficaram muito danificadas ou completamente destruídas.

O primeiro-ministro, Jack Guy Lafontant, visitou na tarde de sábado as zonas mais afetadas pelo furacão. Nesta segunda-feira, o governo anunciou a criação de uma comissão para avaliar os danos.

As famílias afetadas não estão cobertas por nenhum tipo de seguro, e foram privadas das suas únicas fontes de renda devido às perdas materiais, especialmente a destruição de pequenas plantações.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM