Jornal do Commercio
DESTRUIÇÃO

Furacões Irma e Harvey podem superar prejuízo gerado pelo Katrina

Juntos, Irma e Harvey podem ter causado um prejuízo total de até US$ 200 bilhões, que equivale ao prejuízo do Katrina, em 2005, em Nova Orleans

Publicado em 12/09/2017, às 18h48

Destruição causada pelo Furacão Irma / Foto: MARC SEROTA / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP
Destruição causada pelo Furacão Irma
Foto: MARC SEROTA / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP
ABr

Os furacões Irma e Harvey podem ter causado juntos um prejuízo total de até US$ 200 bilhões, um valor equivalente ao provocado pelo furacão Katrina em Nova Orleans em 2005, de acordo com as estimativas mais recentes feitas pela consultoria Moody's Analytics. A informação é da agência EFE.

A companhia alertou que o prejuízo do Irma, que atingiu a Flórida no último domingo como um furacão de categoria 4, ficará entre US$ 64 bilhões e US$ 92 bilhões. Já os danos provocados pelo Harvey, que devastou parte do Texas, podem chegar a US$ 108 bilhões.

O economista-chefe da Moody's Analytics, Mark Zandi, calculou que, juntos, Irma e Harvey deixarão entre US$ 150 bilhões e US$ 200 bilhões em danos provocados contra imóveis, veículos, lojas e infraestruturas públicas.

O furacão Katrina, que atingiu o estado da Louisiana em 2005 e é considerado o desastre natural mais caro da história dos EUA, provocou prejuízos de US$ 160 bilhões, de acordo com a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional do país.

No Texas, onde no fim de agosto o Harvey provocou inundações sem precedentes, as refinarias seguem funcionando com limites, já que cerca de 13% da capacidade do país de converter petróleo em gasolina permanece sem conexão, segundo a S&P Global Platts, uma companhia de pesquisa em energia.



Rápida recuperação

Segundo o consultor Zandi, a reconstrução das áreas destruídas pelos furacões Irma e Harvey acelerará a economia dos EUA no quarto trimestre deste ano e no início de 2018. Para ele, o impacto econômico dos dois fenômenos no longo prazo deve ser "nulo".

"Antecipamos que a maior parte da reconstrução, com exceção da infraestrutura pública danificada, estará terminada até o fim de 2018", indicou o economista-chefe da Moody's Analytics.

Um fator para determinar o efeito sobre a economia desses fenômenos meteorológicos é o "dinheiro do seguro e as ajudas do governo destinaas às regiões mais afetadas, e a rapidez com que esses recursos chegam até lá", explicou Zandi.

A  companhia de análise de catástrofes AIR Worldwide, por sua vez, prevê um prejuízo menor do que o calculado pela Moody's para as perdas provocadas pelo furacão Irma: algo entre US$ 20 bilhões e US$ 40 bilhões.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM