Jornal do Commercio
PROTEÇÃO

Amplo plano de desinfecção em Roma após casos de chikungunya

A prefeita de Roma assinou a ordem para lutar contra a emergência sanitária devido aos casos suspeitos e comprovados de chikungunya

Publicado em 13/09/2017, às 17h56

Um total de 17 casos de chikungunya foram detectados nos últimos dias na região de Lácio (centro) / Foto: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas
Um total de 17 casos de chikungunya foram detectados nos últimos dias na região de Lácio (centro)
Foto: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas
AFP

A cidade de Roma anunciou nesta quarta-feira (13) a implementação de um plano de desinfecção extraordinário após uma série de casos suspeitos ou comprovados de chikungunya, uma medida considerada tardia pela ministra de Saúde.

"A prefeita de Roma, Virginia Raggi assinou a ordem para lutar contra a emergência sanitária devido aos casos suspeitos e comprovados de chikungunya transmitida pelo mosquito" Aedes albopictus, anunciou a prefeitura em um comunicado. 

Será implementado "em todas as zonas urbanas nas que foram verificados casos clínicos notificados pelas autoridades sanitárias locais", detalhou a prefeitura.

Um total de 17 casos de chikungunya foram detectados nos últimos dias na região de Lácio (centro), seis deles em Roma, segundo os dados do Serviço Regional de Vigilância de Doenças Infecciosas (Seresmi).

Uma dezena de casos ocorreram em casas de pessoas que vivem ou que se hospedavam na comuna de Anzio, a 50 km da capital, onde já foram realizados trabalhos de desinfecção.



É provável que essas zonas tenham sido infectadas por um mosquito contaminado presente no local, segundo o Seresmi. 

A ministra italiana da Saúde, Beatrice Lorenzin, considerou que a prefeita de Roma reagiu tarde demais.  "Passou tempo demais desde o pedido de intervenção das autoridades sanitárias locais", em 7 de setembro, lamentou a ministra na quarta-feira. 

Lorenzin advertiu, ainda, que é "muito provável" que se decida "interromper as doações de sangue" na capital italiana. 

Número de casos

Em 2007, foram detectados cerca de 250 casos de chikungunya na região de Emília-Romanha (norte), provavelmente transmitidos por um viajante que tinha sido infectado na Índia, onde havia uma epidemia. 

A chikungunya é uma doença tropical que provoca dores intensas nas articulações e que ameaça a Europa, onde se instalou o Aedes albopictus, que transmite o vírus.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM