Jornal do Commercio
Diplomacia

Governo e oposição da Venezuela explorarão possível diálogo

Secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, manifestou seu 'pleno apoio' à iniciativa de um diálogo no país

Publicado em 13/09/2017, às 04h04

Desde que Maduro assumiu o poder, em 2013, as partes já tentaram negociar em duas ocasiões, sem sucesso / Foto: AFP
Desde que Maduro assumiu o poder, em 2013, as partes já tentaram negociar em duas ocasiões, sem sucesso
Foto: AFP
AFP

O governo e a oposição da Venezuela explorarão na República Dominicana a possibilidade de um diálogo que acabe com a grave crise econômica e política que atinge os venezuelanos, anunciaram as partes nesta terça-feira.

A convite do presidente dominicano, Danilo Medina, e do ex-chefe de governo espanhol José Luis Rodríguez Zapatero, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, deu seu aval ao diálogo, enquanto a oposição anunciava o envio de delegados a Santo Domingo.

"Sabe muito bem Zapatero e o presidente Medina que fui promotor deste diálogo e aceito esta nova jornada de diálogo", expressou Maduro, que designou como representante o dirigente Jorge Rodríguez, que viajará à República Dominicana "nas próximas horas".

Maduro "saudou o passo da oposição" e disse que espera que cumpra sua palavra.

A opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) aceitou o convite, mas advertiu que os contatos não significam o início de negociações.

"Decidimos enviar uma delegação para se reunir com o presidente Medina, na qual serão apresentados os objetivos da luta democrática nacional", informou a (MUD), acrescentando que o convite "não representa o início de um diálogo formal com o governo" de Maduro.

"O tempo dos gestos simbólicos já terminou", destaca o comunicado da MUD, que reúne cerca de 30 partidos opositores.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, manifestou seu "pleno apoio" à iniciativa de um diálogo na Venezuela, destacando que a crise naquele país exige uma "solução política baseada no diálogo".



Guterres exortou o governo e a oposição a "aproveitar esta oportunidade para demonstrar seu compromisso em abordar os desafios do país através da mediação e de meios pacíficos".

Negociações já fracassaram

Desde que Maduro assumiu o poder, em 2013, as partes já tentaram negociar em duas ocasiões, sem sucesso.

No final de 2016, Zapatero e os ex-presidentes Leonel Fernández (República Dominicana) e Martín Torrijos (Panamá) - com o apoio do Vaticano - promoveram um diálogo que fracassou, em meio a acusações de governo e oposição.

A MUD destacou que o convite de Medina será para "explorar, com facilitação internacional, as condições para uma negociação (...) que cumpra as exigências reiteradamente colocadas pela oposição".

Estas exigências são um cronograma eleitoral que inclua eleições presidenciais em 2018, a libertação dos presos políticos, respeito ao Parlamento (controlado pela oposição) e atenção imediata à crise econômica, que se reflete pela escassez de alimentos e remédios, em meio a uma inflação galopante.

"Para um diálogo deve estar o Vaticano, a ONU, os governos democráticos com peso no mundo e haver uma agenda clara e com garantias. Se isto é possível? Maduro tem a resposta", declarou o líder opositor Henrique Capriles.

Após o fracasso das aproximações em dezembro de 2016, as tensões se agravaram com uma onda de protestos contra Maduro que deixou ao menos 125 mortos entre abril e julho, e com a instalação de uma Assembleia Constituinte integrada exclusivamente por chavistas.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM