Jornal do Commercio
ÁSIA

Sri Lanka exportará maconha da sua primeira plantação oficial

No Sri Lanka, fumar ou estar em posse de maconha é ilegal

Publicado em 13/09/2017, às 19h45

O ministro da Saúde indicou que a plantação de cannabis, com uma extensão de 40 hectares, que poderá produzir mais de 25 toneladas por ano / Foto: Georgia Army National Guard photo by Maj
O ministro da Saúde indicou que a plantação de cannabis, com uma extensão de 40 hectares, que poderá produzir mais de 25 toneladas por ano
Foto: Georgia Army National Guard photo by Maj
AFP

O Sri Lanka colocará em produção sua primeira plantação oficial de maconha para abastecer o mercado da medicina tradicional e exportar aos Estados Unidos e a outros países, anunciou nesta quarta-feira (13) o ministro da Saúde do país asiático.

Rajitha Senaratne indicou que a plantação de cannabis, com uma extensão de 40 hectares, que poderá produzir mais de 25 toneladas por ano, estará sob controle militar, e será capaz de assegurar um abastecimento regular e de alta qualidade. 

"Muitos médicos que praticam a 'ayurveda' (medicina tradicional) se queixaram porque não contam com cannabis de qualidade para suas preparações", disse Senaratne a jornalistas. 



"A boa cannabis é um ingrediente essencial nas preparações da medicina tradicional", explicou.

Tráfico

Até agora, o mercado tradicional de ervas medicinais era abastecido de produtos de traficantes confiscados por tribunais. "Mas, quando nossos médicos tradicionais obtém a cannabis, esta já tem entre quatro e cinco anos de antiguidade, e perdeu sua eficácia", acrescentou Senaratne. 

Além disso, destacou que o governo espera poder exportar o excedente da sua plantação, situada em Ingiriya, 60 km ao sudeste de Colombo. 

"Me disseram que existe uma grande demanda nos Estados Unidos e em outros países, onde a cannabis é utilizada pela indústria farmacêutica para a fabricação de tranquilizantes e analgésicos", acrescentou.

No Sri Lanka, fumar ou estar em posse de maconha é ilegal.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM