Jornal do Commercio
Inusitado

Corte dos EUA atribui a fotógrafo direitos por 'selfie do macaco'

Mesmo assim, fotógrafo britânico vai doar 25% das receitas futuras da imagem para instituições voltadas para a proteção animal

Publicado em 14/09/2017, às 00h00

Naruto ficou famoso depois da publicação de sua selfie, publicada por Slater em um livro e altamente reproduzida nas redes sociais / Foto: reprodução
Naruto ficou famoso depois da publicação de sua selfie, publicada por Slater em um livro e altamente reproduzida nas redes sociais
Foto: reprodução
AFP

Após dois anos de uma disputa judicial inédita entre um fotógrafo britânico e um macaco da Indonésia, uma corte americana decidiu nesta terça-feira pelo retorno dos direitos de "selfie do macaco" ao fotógrafo humano, que prometeu compartilhar seus frutos.

Tudo começou em 2011 na ilha indonésia de Sulawesi quando um macaco-preto com crista (espécie Macaca nigra) se apropriou da câmera fotográfica de David Slater para se tornar uma das mais famosas selfies da história do autorretrato.

O fotógrafo e o grupo People for the Ethical Treatment of Animals (Peta) chegaram na segunda-feira a um acordo em uma corte de San Francisco, que favoreceu o britânico.



"Slater doará 25% das receitas futuras com a 'selfie do macaco' a instituições de caridade dedicadas a proteger e a melhorar o bem-estar e o hábitat de Naruto e dos macacos-pretos' de crista da Indonésia", informou o comunicado publicado nesta segunda-feira.

Caso inusitado

Naruto ficou famoso depois da publicação de sua selfie, publicada por Slater em um livro e altamente reproduzida nas redes sociais.

A Peta pediu na época que ao tribunal que o macaco fosse "declarado autor e proprietário de suas próprias fotografias".

Slater insistia que os direitos lhe pertenciam, porque ele instalou a câmera sobre o tripe e se afastou por alguns minutos. Ao voltar, percebeu que o macaco havia manipulado a câmera e tirado essas fotos.

Quando a controvérsia sobre os direitos autorais começou, Slater argumentou que, com a difusão das fotos na internet, ele perdeu dinheiro com as potenciais vendas de seus livros.

Em janeiro, um juiz americano já havia decidido que o macaco não tinha os direitos de autor sobre essas fotografias.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM