Jornal do Commercio
PRISÃO

Com Battisti, PF achou dólares, euros e um 'objeto não classificado'

A PF autuou Battisti em flagrante por evasão de divisas e lavagem de dinheiro

Publicado em 05/10/2017, às 16h40

O ativista negou ser o dono do
O ativista negou ser o dono do "objeto não classificado"
Foto: AFP
Estadão Conteúdo

Com o ativista Cesare Battisti, preso em flagrante nesta quarta-feira (4) tentando atravessar a fronteira do Brasil com a Bolívia, a Polícia Federal apreendeu US$ 6 mil e 1.300 euros, além de "documentos diversos" e, ainda, o que os agentes rotularam de "objeto não classificado". Segundo o auto, objeto não classificado é: "um pino de plástico, cor laranja, com resquício de substância em pó de cor esbranquiçada".

A PF autuou Battisti em flagrante por evasão de divisas e lavagem de dinheiro. O "objeto não classificado" foi achado pelos agentes no chão da SUV placas GCX 7091, na qual Battisti viajava com dois amigos, Vanderlei Lima Silva e Paulo Neto Ferreira de Almeida.

Em seu interrogatório, o ativista - condenado na Itália à prisão perpétua por terrorismo - disse que ia fazer pescaria e comprar roupas de couro no país vizinho.



Questionado sobre o pó branco dentro do pino cor laranja encontrado no veículo em que viajava - conduzido por Paulo Almeida -, Cesare Battisti declarou. "Não tenho conhecimento", afirmou.

Defesa

O ativista negou ser o dono do "objeto não classificado". Ele afirmou que o carro e todos os seus ocupantes, inclusive ele, "foram revistados minuciosamente" pela Polícia Rodoviária Federal que os abordou um pouco antes de serem detidos. "Nenhuma droga foi encontrada", disse.

Battisti declarou que ele e seus companheiros de viagem "não são usuários de droga".

O "pó esbranquiçado" está sendo submetido à análise pelos peritos criminais federais, por solicitação do delegado Iuri de Oliveira, que autuou Battisti em flagrante. "A fim de verificar se a substância apreendida, que aparenta ser cocaína, está em quantidade suficiente para a realização de perícia e certifique-se. Caso seja possível encaminhe-se o material para que seja realizado laudo pericial sobre a natureza da substância".


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM