Jornal do Commercio
TIROTEIO

Trump afirma após tiroteio no Texas que armas não são o problema

O tiroteio matou 26 pessoas no Texas

Publicado em 06/11/2017, às 08h37

Trump disse que o problema é de saúde mental / Foto: JIM WATSON / AFP
Trump disse que o problema é de saúde mental
Foto: JIM WATSON / AFP
AFP

O presidente americano, Donald Trump, afirmou nesta segunda-feira (6) que o tiroteio que matou 26 pessoas em uma igreja no Texas é uma questão de "saúde mental" e que o acesso às armas nos Estados Unidos não é o problema.

"Temos um monte de problemas de saúde mental em nosso país, mas não é uma situação imputável às armas", afirmou durante uma entrevista coletiva em Tóquio, primeira escala de sua viagem à Ásia.

Atirador

Identificado como Devin Patrick Kelley, de 26 anos, o atirador já fez parte da Força Aérea americana e morreu durante uma perseguição policial, após ter entrado na igreja na manhã desse domingo (5) e disparado contra as pessoas que estavam reunidas para uma celebração dominical. Ao menos 26 pessoas morreram e mais de 20 ficaram feridas.

As vítimas, segundo o governador do estado, Greg Abbott, tinham entre 5 e 72 anos. Entre os mortos estão Annabelle Pomeroy, filha de 14 anos do pastor Frank Pomeroy.



Crime de ódio

Na noite deste domingo, fiéis fizeram uma vigília na igreja. O FBI informou que o crime está sendo tratado como de ódio. A polícia local ainda não confirmou se Kelley foi morto durante a perseguição policial ou se ele teria se matado durante a tentativa de fuga.

Devin Kelley teve a conta pessoal retirada do ar pelo facebook, mas segundo a imprensa local ele tinha várias fotos de armas de fogo e era possível perceber que era um aficcionado por armas. A imprensa também ouviu testemunhas que disseram que ele era um ex-fiel da igreja onde executou o massacre.

De acordo com a polícia local, o carro usado por Kelley tinha munição e outras armas de fogo. Ao entrar na igreja, conforme testemunhas, ele usava uma roupa com colete à prova de balas.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Sonia,06/11/2017

Trump = INSANO!

Por Rodrigo,06/11/2017

Pode até ser amigo, mas o que fazer com as três gerações de bandidos que já estão nas ruas hoje? Deixa-los nos massacrar até se aposentarem??? Educação previne o crime a médio e longo prazo mas a curto prazo tem que ser na bala mesmo pra dar fim nas pestes que já assolam nossa sociedade. Que os filhos deles tenham educação de qualidade e emprego assim como os nossos mas aos bandidos só cadeia e cemitério!

Por Vê se aprende com os erros dos norte-americanos!,06/11/2017

Alguma semelhança do imbecil norte-americano com um dos candidatos a presidência daqui? Uma coisa é um louco, outra coisa é um louco com porte de arma sendo contrariado! É inadmissível que se pense que se reduz a violência armando o cidadão, mesmo que de bem, mas que em momento de fúria, atira em um opositor em uma briga de trânsito, em uma briga de bar, dentre outros eventos. Fatos que já acontecem, esporadicamente, sem o porte generalizado, imaginem com a liberação? Violência de reduz a média e longo prazo com educação de qualidade e empregos, bem pagos, não os salários de fome que se paga ao trabalhador brasileiro.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM