Jornal do Commercio
REAÇÕES

Decisão de Trump sobre Jerusalém gera onda de protestos internacionais

O presidente americano decidiu, nesta quarta-feira (6), reconhecer Jerusalém como capital de Israel

Publicado em 06/12/2017, às 19h36

O Hamas considerou que a decisão do presidente americano
O Hamas considerou que a decisão do presidente americano "abriu as portas do inferno"
Foto: SAUL LOEB / AFP
AFP

A decisão do presidente americano, Donald Trump, de reconhecer nesta quarta-feira (6) Jerusalém como capital de Israel gerou uma onda de condenações de parte da comunidade internacional. Seguem as principais reações: 

Israel comemora 'um dia histórico' 

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, comemorou um "dia histórico" após a decisão de Donald Trump e assegurou que esta não mudará o status quo em torno dos lugares sagrados da Cidade Santa para judeus, cristãos e muçulmanos.

Abbas: EUA boicotam os esforços de paz

"Mediante estas decisões lamentáveis, os Estados Unidos boicotam deliberadamente os esforços de paz e proclama que abandona o papel de patrocinador do processo de paz que exerceu nas últimas décadas", declarou o presidente palestino, Mahmud Abbas.

OLP: Washington destrói a solução de dois Estados

O secretário-geral da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Saeb Erakat, declarou nesta quarta-feira que o presidente americano, Donald Trump, havia "destruído" a chamada solução de dois Estados, ao anunciar o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel. 

Hamas: Trump abre "as portas do inferno" 

O movimento islamita palestino Hamas considerou que a decisão do presidente americano "abriu as portas do inferno" .

Ismael Raduan, alto encarregado do Hamas, fez um chamado aos países árabes e muçulmanos "a cortar os laços políticos e econômicos com as embaixadas americanas e a expulsar os embaixadores" de Washington.

ONU "contra toda medida unilateral"

O status de Jerusalém deve ser decidido por uma "negociação direta" entre israelenses e palestinos, declarou nesta quarta-feira o secretário-geral da ONU,  António Guterres, reiterando que sempre foi "contra toda medida unilateral".

"Não há alternativa à solução de dois Estados" com "Jerusalém como capital de Israel e Palestina", acrescentou Guterres.

Brasil mantém defesa de "dois Estados" (fonte diplomática)

Uma fonte diplomática consultada pela AFP declarou que a decisão do presidente Donald Trump não interfere na forma como o Brasil se posiciona sobre a questão entre israelenses e palestinos.

"A posição do Brasil é a mesma há décadas", declarou a fonte por telefone. "Nada mudou na posição" do país com a decisão de Trump de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.

"Defendemos negociações que assegurem o estabelecimento de dois Estados vivendo en paz e segurança, dentro de fronteiras internacionalmente reconhecidas", acrescentou, e "valorizamos a liberdade de acesso aos Lugares Santos dos fieis de todas as religiões".

Jordânia: "uma violação ao direito internacional" 

"A decisão do presidente americano de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, e a transferência da embaixada para esta cidade constitui uma violação das decisões do direito internacional e da Carta das Nações Unidas", avaliou o porta-voz do governo jordaniano, Mohamed Mumeni, em um comunicado.



Turquia: "irresponsável" 

"Condenamos a irresponsável declaração da administração americana... A decisão vai contra a lei internacional e importantes resoluções das Nações Unidas", reagiu no Twitter o ministro turco das Relações Exteriores, Mevlut Cavusoglu.

França: "lamentável"

O presidente francês, Emmanuel Macron, qualificou de "lamentável" da decisão do contraparte americano, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e pediu para que se evite "a violência a qualquer preço".

Macron ressaltou "o compromisso da França e da Europa com a solução dos dois Estados, Israel e Palestina, vivendo como vizinhos em paz e segurança em fronteiras reconhecidas internacionalmente com Jerusalém como capital dos dois Estados".

Britânicos "discordam" de aliado

O governo britânico expressou seu desacordo com a decisão do presidente Trump de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.

"Discordamos da decisão americana (...) Acreditamos que é de pouca ajuda no que diz respeito à perspectiva de paz na região", expressou o governo de Theresa May em um comunicado.

UE manifesta "séria preocupação"

A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, expressou, em nome da União Europeia, sua "séria preocupação" com a decisão do presidente americano, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

"A União Europeia expressa sua séria preocupação a propósito do anúncio, hoje, do presidente dos Estados Unidos, Trump, sobre Jerusalém e as repercussões que isto pode ter na perspectiva da paz", destacou Mogherini em um comunicado.

Alemanha 'não apoia' decisão de Trump

A chanceler alemã, Angela Merkel, declarou que seu governo não apoia a decisão do presidente americano de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

O governo alemão "não apoia esta posição, porque o estatuto de Jerusalém só pode ser negociado no contexto de uma solução de dois Estados", declarou a chanceler, citada no Twitter de seu porta-voz, Steffen Seibert.

Irã adverte para risco de 'nova Intifada'

Por meio de um comunicado de seu ministério de Relações Exteriores, o Irã advertiu que a decisão de Trump provocará uma "nova Intifada", ou levante palestino.

A pasta denunciou o que chamou de uma "provocativa e imprudente decisão dos Estados Unidos (...), que vai provocar uma nova Intifada e uma escalada comportamentos mais radicais, irascíveis e violentos".


Recomendados para você


Comentários

Por Tarcisio Moura,07/12/2017

Poucas pessoas podem se dizer especialistas no tema "Oriente Médio", mas só de ver que todos esses países, pessoas e instituições estão contra a atitude do Presidente Donald Trump, já nos faz perceber que ele está no caminho certo. Só para citar algumas das principais características desses personagens: são globalistas, antissemitas, socialistas, politicamente corretos, muçulmanos e tudo o mais que não presta. #GoTrump #MakeAmericaGreatAgain



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM