Jornal do Commercio
MAIS DEMISSÕES

General Electric anuncia 12 mil demissões no mundo

Segundo a empresa, as demissões são parte de um plano econômico

Publicado em 07/12/2017, às 13h53

A GE Power, que não antecipou a queda dos preços na eletricidade no mercado / Foto: ABr
A GE Power, que não antecipou a queda dos preços na eletricidade no mercado
Foto: ABr
AFP

A General Electric (GE) anunciou, nesta quinta-feira (7), o encerramento de 12 mil vagas de emprego no setor de energia GE Power. A medida faz parte de um amplo plano de restruturação, com o qual busca economizar, ao todo, 3,5 bilhões de dólares em um ano.

A maioria dos cortes acontecerão fora dos Estados Unidos, indicou o conglomerado industrial americano, sem dar maiores detalhes. 

"Essa decisão é difícil, mas necessária, para que a GE possa reacionar a desaceleração do mercado de energia, que gera menos volume, tanto em produtos, como em serviços, explicou Russel Stokes, diretor da GE Power.

A GE Power, que não antecipou a queda dos preços na eletricidade no mercado e o colapso dos pedidos de turbinas, quer poupar 1 bilhão de dólares em custos estruturais em 2018. 

A filial gerou um volume de negócios de 27 bilhões de dólares no ano passado e empregava, até o começo deste ano, 57 mil pessoas, quase um quinto dos 298 mil funcionários da General Electric no fim de 2016. 



Com o fim dos 12 mil postos de trabalho, a GE Power reduzirá sua força de trabalho em 21%. 

A empresa americana não está sozinha. Seu maior concorrente, o grupo alemão Siemens, anunciou no mês passado 6.900 demissões , sobretudo no ramo de energia.

Os mercados energéticos tradicionais, como gás e carvão, enfrentam uma desaceleração: os volumes caíram de forma significativa, tanto em produtos, quanto em serviços, especialmente devido à sobrecapacidade, a uma baixa taxa de utilização, ao aumento do número de fechamentos de fábricas termoelétricas e ao desenvolvimento de energias renováveis.

Esses fatores afetaram muito os resultados financeiros da GE, que teve os dividendos de novembro cortados pela metade.

O novo CEO, John Flannery, decidiu centralizar as atividades do grupo em três áreas - aeronáutica, saúde e energia - e vender 20 bilhões de dólares em ativos, inclusive o braço de tradicional de eletricidade, símbolo da empresa desde sua fundação, há 125 anos.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM