Jornal do Commercio
ASSUTADOR

Um anti-Papai Noel assusta as crianças malcriadas e os maus espíritos

Mais de 60 criaturas se espalham nas ruas da cidade para assustar crianças e adultos durante o desfile de Zwarte Piet, na Áustria

Publicado em 07/12/2017, às 16h33

As criaturas tem olhos injetados de sangue, chifres enormes, vestes demoníacas e sinos sombrios / Foto: Alex Alada/AFP
As criaturas tem olhos injetados de sangue, chifres enormes, vestes demoníacas e sinos sombrios
Foto: Alex Alada/AFP
AFP

As ruas da Áustria à noite no inverno são invadidas não por apenas um, mas por uma horda de "Zwarte Piet" ("Black Pete" ou "Pedro, o Negro"), um personagem da cultura popular europeia que, nascido há séculos ganha cada vez mais força nos dias de hoje como uma espécie de anti-Papai Noel.

Eles são literalmente aterrorizantes com seus olhos injetados de sangue, chifres enormes, vestes demoníacas e sinos sombrios: nesta noite em Schwadorf, perto de Viena, não é apenas o frio que faz tremer o público.

Centenas de pessoas vieram assistir a um "Krampuslauf", um desfile de "Zwarte Piet" (ou "Krampus"), onde mais de 60 criaturas perambulam pela cidade assustando adultos e crianças.

"Estamos resgatando a tradição que consiste em espantar os maus espíritos, assustando-os", explica Ernst Eigner, um dos participantes do desfile.

Como milhares de austríacos a cada inverno, este tranquilo agente imobiliário troca o terno e a gravata por uma fantasia diabólica, meio bode, meio zumbi.

"A gente finge ar de cruel, mas nossos chicotes não passam de crina de cavalo. As pessoas não sentem nada quando as atingimos", assegura.

Em Schwadorf, a atmosfera é de diversão, e tirando uma ou outra criança chorando, as famílias passam bons momentos.

Nos últimos anos, o desfile de "Krampus" tornou-se um verdadeiro evento social na Áustria. 

Ficou para trás o tempo em que o Zwarte Piet se contentava em ser pajem de São Nicolau, o antigo Papai Noel, que ia de casa em casa para "punir" as crianças desobedientes e assustá-las com seu rosto pintado de preto, observa a etnóloga Helga Maria Wolf à AFP.

Esta figura popularizada no século XVI consolidou-se principalmente na figura dos "Perchten", espíritos benéficos e malignos responsáveis por expulsar o inverno, uma tradição provavelmente de origem pagã e que foi mantida em certos vales alpinos, como em Gastein, perto de Salzburgo.

Os Krampus e os Perchtens assim se fundiram em "seres híbridos", incorporando também influências que vão desde filmes de terror ao heavy metal, observa Wolf.

A magnitude do tema, com cerca de 850 grupos e 10.000 "Krampus" e outros "Perchten" identificados em todo o país, forçou as autoridades a redobrar sua atenção para evitar problemas.



Incidentes são frequentes, uma vez que o anonimato conferido pelas máscaras - e o álcool - propiciam brigas e até mesmo agressões sexuais, como aconteceu com uma jovem em Zell bei Ebenthal, no sul do país.

Temendo por sua reputação, representantes de associações protestaram (com o rosto à mostra) no final de novembro em Klagenfurt, na Carinthie, para denunciar "casos isolados".

O espaço tomado por esta tradição levou o Parlamento a isentar os desfiles de monstros das disposições de uma lei muito rígida que proíbe cobrir o rosto, que entrou em vigor em outubro em um contexto de ameaça terrorista.

A moda dos Krampus se inscreve num contexto de resgate dos costumes regionais, algo muito marcante na Áustria e caracterizado, em particular, pela moda do Lederhose, as calças de couro, inclusive entre os jovens.

"Observamos esse retorno às raízes não só para os costumes, mas também para os dialetos locais ou denominações de origem. É um contrapeso para a globalização, mesmo que o fenômeno tenha começado na década de 1970", analisa a etnóloga.

Com o seu caráter transgressivo e lúdico, os Krampus também fazem parte da "cultura da diversão e da festa" contemporânea, que eles apimentam com o "prazer de ter medo", observa.

Longe de serem simples festivais aldeões, os desfiles podem se tornar verdadeiros shows comerciais, como em Schladming, no centro do país, onde cerca de 8.000 espectadores pagam até 15 euros cada para admirar 800 monstros.

Por outro lado, alguns austríacos desenvolvem um verdadeiro "trauma do Krampus" até o ponto de temer o inverno, diz a terapeuta Andrea Hammerer. 

"O som dos sinos penetra diretamente no inconsciente", diz a praticante que anima a cada ano perto de Salzburgo um seminário para ajudar seus pacientes a "superar seu medo" desses monstros.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM