Jornal do Commercio
PEDOFILIA

Papa expressa sua vergonha por abusos sexuais na Igreja

Uma lista com o nome de cerca de 80 religiosos que cometeram abusos contra crianças no Chile foi divulgada há poucos dias

Publicado em 16/01/2018, às 16h21

"Não posso deixar de manifestar a dor e a vergonha que sinto ante o dano irreparável causado a crianças por parte de ministros da Igreja", disse o papa Francisco
Foto: AFP
AFP

O papa Francisco expressou sua dor e sua vergonha pelos abusos cometidos por religiosos contra menores que mancharam a imagem da Igreja católica, em seu primeiro discurso diante de autoridades políticas e civis do Chile.

"Não posso deixar de manifestar a dor e a vergonha que sinto ante o dano irreparável causado a crianças por parte de ministros da Igreja", afirmou o Papa no Palácio de La Moneda, onde foi recebido pela presidente Michelle Bachelet.

"Temos que nos empenhar para que isso não torne a se repetir", acrescentou, em meio a aplausos.

"Quero me unir aos meus irmãos no episcopado, já que é justo pedir perdão e apoiar as vítimas com todas as forças, ao mesmo tempo em que temos de nos empenhar para que isso não volte a se repetir", enfatizou.

A ONG americana Bishop Accountability - que desde 2003 se dedica a publicar os arquivos de abusadores dentro da Igleja católica - divulgou na semana passada uma lista de quase 80 religiosos que abusaram de menores no Chile.

Um dos casos mais emblemáticos que marcaram a sociedade chilena foi o do padre Fernando Karadima, denunciado em 2010 por várias vítimas. Para a Justiça chilena, o caso prescreveu e o Vaticano o declarou culpado de abuso sexual. Ele foi condenado a se retirar para uma vida de oração e penitência.

Para as vítimas, pedir perdão não é suficiente.

"Precisamos de atos concretos que o Papa não toma na Igreja chilena contra os abusadores", protesta o porta-voz da associação de laicos Osorno, Juan Carlos Claret, a qual luta para que o bispo Juan Barros, assinalado como acobertador do "caso Karadima", seja expulso.

Às vésperas de sua chegada ao país, a pressão cresceu contra o Papa, que chegou a prometer tolerância zero para com os abusos, quando assumiu o Trono de Pedro, em março de 2013. Além de publicar uma lista com os nomes de todos os envolvidos, ativistas de todo mundo lançaram em Santiago uma organização global contra o abuso sexual infantil - a "Ending Clerical Abuse".

Mudanças sociais

O Papa visita o país da América Latina mais crítico em relação à Igreja católica e que se encontra em plena mudança social: acaba de aprovar a prática do aborto terapêutico e, no Parlamento, tramita o projeto sobre casamento homossexual, após a adoção da união civil por pessoas do mesmo sexo.

Na segunda-feira (15), uma comissão legislativa aprovou o projeto de lei de identidade de gênero, que reconhece as pessoas trans.

"Devemos superar as desigualdades que ainda atravessamos, assegurar o bem-estar de todos/as, devemos fortalecer nossa cultura da solidariedade, exigir mais de nossa ética cívica, política e econômica, devemos acolher melhor nossas diversidades", recordou a presidente Bachelet.



Três novos ataques contra igrejas foram registrados nesta terça (16) durante a visita papal, além dos outros cinco ocorridos no final de semana.

Além disso, dez pessoas foram detidas em uma manifestação contra a visita do sumo pontífice, segundo a imprensa local.

Francisco recebeu de presente uma réplica do moai Haumaru o te 'Ao, mais conhecido como o "moai da paz", de dois metros de altura e entalhado em rocha, uma lembrança da Ilha de Páscoa.

Migrantes e indígenas

Em seu esperado discurso, Francisco também mencionou outros temas que o preocupam, como os indígenas, os imigrantes, o meio ambiente e os jovens.

"É preciso escutar os povos originários, frequentemente esquecidos e cujos direitos precisam ser atendidos e sua cultura cuidada, para que não se perca parte da identidade e da riqueza desta nação", afirmou Francisco, ao abordar a questão indígena.

"Com eles, podemos aprender que não há verdadeiro desenvolvimento em um povo que dá as costas para a terra e para tudo e todos que os cercam", insistiu.

Ele também pediu que sejam ouvidos os imigrantes, "aqueles que batem às portas deste país em busca de melhoria e, por sua vez, com a força e a esperança de quererem construir um futuro melhor para todos", incluindo crianças, jovens e idosos.

Depois deste ato, o Papa se dirigiu para o Parque O'Higgings, onde mais de 400 mil pessoas aguardavam desde a madrugada para participar de uma das missas que Francisco oficiará nas três cidades chilenas que constam de sua agenda.

Sob um forte calor, Francisco em sua homilia pediu para que a paz seja semeada entre vizinhos.

O Papa recorreu a símbolos chilenos como o poeta Pablo Neruda ou o monsenhor Silva Henríquez, defensor dos direitos humanos durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990) para falar de esperança e criticar a resignação e o "consumismo tranquilizante".

O programa do pontífice em Santiago está cheio de atividades, entre elas uma visita a um presídio feminino, um encontro com religiosos na Catedral de Santiago, uma visita privada ao Santuário de São Alberto Hurtado e um encontro com jovens.

Na quinta-feira à tarde (18), Francisco segue para o Peru.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM