Jornal do Commercio
PANDEMIA

Ameaça de uma pandemia 100 anos depois da gripe espanhola

"Sabemos que acontecerá, mas não temos nenhuma possibilidade de evitá-lo", conta o especialista da OMS sobre a pandemia

Publicado em 26/01/2018, às 18h00

"A gripe é um vírus respiratório que se transmite facilmente e as pessoas podem ser contagiosas inclusive antes de ter sintomas, por isso não é fácil de controlar", explica Sylvie Briand
Foto: Reprodução/Vimeo
AFP

Cem anos depois das 50 milhões de mortes provocadas pela chamada gripe espanhola, pandemias como o SARS, o ebola ou o zika poderão afetar de novo nosso planeta hiperconectado, advertem os especialistas.

"As pandemias são autênticas ameaças para a humanidade", alerta Elhadj As Sy, secretário-geral da Federação Internacional de Sociedades da Cruz Vermelha e da Meia-Lua Vermelha (IFRC), perguntado pela AFP em Davos.

O Fórum Econômico Mundial (WEF) leva muito a sério este risco, e o seminário "Estamos preparados para a próxima pandemia?" estava cheio.

"Sabemos que acontecerá, mas não temos nenhuma possibilidade de evitá-lo", resume Sylvie Briand, especialista em riscos infecciosos na Organização Mundial da Saúde (OMS).

Este ano se comemora o centenário da chamada gripe espanhola - que na verdade foi importada por soldados dos Estados Unidos que foram à Europa -, a pior pandemia da história.

Calcula-se que esta deixou entre 40 e 50 milhões de mortos em todo o mundo em dois anos, mais que as vítimas da Primeira Guerra Mundial.

"A Índia perdeu 5% de sua população em 1918. É o único período de sua história em que a população do país diminuiu", lembra Richard Hatchett, diretor-geral da Coalizão de Preparação para Epidemias (CEPI).

Um século mais tarde, o que os especialistas mais temem segue sendo um vírus gripal desconhecido.

"A gripe é um vírus respiratório que se transmite facilmente e as pessoas podem ser contagiosas inclusive antes de ter sintomas, por isso não é fácil de controlar", explica Sylvie Briand.

Estes vírus, que existem em grande quantidade, também tem a particularidade de poder "se casar" entre eles ou com vírus aviários ou suínos, formando combinações potencialmente devastadoras para o homem.

Apesar do aparecimento dos antivirais, dos antibióticos e das primeiras vacinas, outras duas pandemias de gripe, em 1957 e 1968, provocaram milhões de mortes.



Os vírus viajam  

Epidemias mais recentes, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), que deixou 770 mortos na Ásia em 2003, fazem lembrar que o mundo continua sendo vulnerável.

"Nos três últimos anos, houve uma epidemia de ebola no oeste da África, de zika na América do Sul e mais recentemente de peste em Madagascar", recorda Sy, da IFRC.

Para a doutora Briand, hoje "a humanidade é mais frágil ante as epidemias porque estamos muito mais conectados e nos deslocamos muito mais rápido que antes. Quando viajamos, os vírus viajam conosco".

"Ainda estamos administrando as consequências do zika", ressalta Richard Hatchett. A irrupção no final de 2015 na América Latina deste vírus, responsável por graves malformações fetais e conhecido há 70 anos, pegou os cientistas de surpresa.

Assim como o ebola, uma febre hemorrágica que matou mais de 11.000 pessoas na Guiné, Libéria e Serra Leoa em 2014 e 2015. 

Além de suas terríveis consequências humanas, estes vírus custam muito dinheiro.

Em 2015, o aparecimento de alguns casos da Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS-CoV) na Coreia do Sul retirou "10 bilhões de dólares da economia coreana", explica Richard Hatchett.

"O custo global da preparação para uma pandemia é estimado em 3,4 bilhões de dólares por ano. A perda anual que uma pandemia poderia provocar é de 570 bilhões", disse Bill Gates em fevereiro de 2017.

Produzir uma nova vacina é arriscado e leva muito tempo, entre quatro e seis meses, explica o responsável da OMS.

Além disso, é muito caro: "Entre 100 e 200 milhões de dólares", porque são necessários muitos testes, explica Peter Piot, diretor da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres.

Isso desmotiva os laboratórios farmacêuticos de criar produtos "para os que não há mercado comercial, até que há uma epidemia e todo mundo quer uma vacina que não existe", afirma Richard Hatchett.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM