Jornal do Commercio
Negociações

Trump e Xi Jinping acordam manter sanções à Coreia do Norte

A intenção é conseguir avanços na desnuclearização da península coreana, informou a Casa Branca

Publicado em 09/03/2018, às 21h52

Depois do surpreendente anúncio da reunião entre Trump e Kim, o líder chinês expressou sua esperança de que as conversações aconteçam o quanto antes. / Foto: Jung Yeon-Je / AFP
Depois do surpreendente anúncio da reunião entre Trump e Kim, o líder chinês expressou sua esperança de que as conversações aconteçam o quanto antes.
Foto: Jung Yeon-Je / AFP
AFP

Os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, acordaram nesta sexta-feira (9) continuar com a sanções contra a Coreia do Norte até que se consigam avanços na desnuclearização da península coreana, informou a Casa Branca.

Trump e Xi mantiveram uma conversa por telefone e "se comprometeram a manter a pressão e as sanções até que a Coreia do Norte dê passos concretos rumo a uma desnuclearização completa, verificável e irreversível", informou a Presidência em nota oficial.

Segundo a Casa Branca, nesta conversa Trump manifestou a esperança de que "o líder norte-coreano Kim Jong Un possa escolher um caminho brilhante para o futuro da Coreia do Norte".

A China, aliada de Pyongyang, era um ator central na estratégia americana de pressionar o governo de Kim Jong Un a abandonar seu programa de armas nucleares e interromper seus testes com mísseis balísticos.

Depois do surpreendente anúncio da reunião entre Trump e Kim, o líder chinês expressou sua esperança de que as conversações aconteçam o quanto antes.

"Espero que os Estados Unidos e a Coreia do Norte entrem em contato e dialoguem o quanto antes", declarou Xi, segundo a agência de notícias Xinhua.

Em geral, a comunidade internacional expressou apoio à iniciativa de uma reunião de cúpula entre Trump e Kim, mas com uma cautela evidente com relação à possibilidade de resultados imediatos.

Apoio cauteloso

Esta posição é compartilhada por um dos principais aliados asiáticos de Washington, o governo do Japão, que também defendeu que se mantenha a política de pressão sobre Pyongyang.

Em uma mensagem pela televisão, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse que apreciava "enormemente" a mudança de retórica por parte da Coreia do Norte em relação à eliminação das armas nucleares, mas manteve a cautela.

"Não há mudanças na política para Japão e Estados Unidos", afirmou. "Vamos continuar exercendo uma pressão máxima até que a Coreia do Norte tome ações concretas até uma 'desnuclearização' perfeita, verificável e irreversível", disse.



Para a Casa Branca, a campanha de "pressão máxima" também inclui insistir com a China, aliada da Coreia do Norte, para que assuma um papel mais ativo a fim de convencer Pyongyang a abandonar seu programa de armas nucleares.

O presidente chinês, Xi Jinping, já expressou sua confiança de que "Estados Unidos e Coreia do Norte entrem em contato e dialoguem o quanto antes".

Em Nova York, o secretário-geral da ONU, António Guterres, saudou a "liderança e visão" mostrada por Trump e Kim em avançar até um encontro.

Guterres "se sente alentado pelo anúncio de uma concordância" para realizar a reunião e "elogia a liderança e a visão de todos os interessados", declarou o porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric.

Para a Rússia, a reunião é "um passo em uma boa direção" e "necessária para normalizar a situação", afirmou seu chanceler, Sergei Lavrov, que também expressou satisfação pelo encontro que será mantido pelos dirigentes das duas Coreias no final de abril.

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), por sua vez, expressou sua esperança de que o esforço por uma reunião permita "progressos concretos na questão nuclear norte-coreana".

Enquanto isso, a União Europeia (UE) considerou "que a disposição" de Trump em aceitar o convite de Kim é "um acontecimento positivo", enquanto a chanceler alemã, Angela Merkel, avaliou que oferece "uma luz de esperança".

Não obstante, o espetacular anúncio do encontro entre Trump e Kim pareceu pegar de surpresa o secretário de Estado americano, Rex Tillerson, que está em uma viagem pela África.

Durante uma visita a Dijbuti, Tillerson disse nesta sexta-feira que a abertura mostrada por Kim foi "um pouco surpreendente para nós", depois de um ano de agressiva retórica e tensões militares.

Na véspera, poucas horas antes do anúncio sobre a reunião, Tillerson estava na Etiópia, e durante coletiva de imprensa opinou que a ideia de "negociações" diretas entre Washington e Pyongyang ainda estava longe.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM