Jornal do Commercio
Igreja Católica

Papa Francisco causou surpresa pela escolha do nome e pelas atitudes

Com gestos e palavras, o Papa Francisco vem confirmando há cinco anos sua missão na defesa de uma Igreja Católica que agrega

Publicado em 13/03/2018, às 06h06

Um legado muito grande que o Papa vai deixar é de agrupamento de novos católicos e também de separação, afirma o historiador da UFPE Severino Vicente da Silva / Foto: Guga Matos/JC Imagem
Um legado muito grande que o Papa vai deixar é de agrupamento de novos católicos e também de separação, afirma o historiador da UFPE Severino Vicente da Silva
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Cleide Alves
cleide@jc.com.br

Ele era um jesuíta desconhecido quando foi eleito para suceder o Papa Bento 16 há cinco anos e surpreendeu o mundo com a escolha do nome. “O nome do Papa Francisco já diz a que ele veio”, declara padre Tiago Thorlby, escocês radicado no Recife e integrante da Comissão Pastoral da Terra.

“Pela escolha do nome a gente percebeu que era uma pessoa diferenciada. Ao assumir a postura de uma igreja pobre, voltada para o interesse dos pequenos, isso foi uma surpresa muito grande. E ele vem confirmando isso a cada dia, com gestos e palavras”, completa o arcebispo dom Fernando Saburido.

O nome do Papa, diz o historiador Severino Vicente da Silva, da UFPE, remete a três Franciscos. “Ele é o Francisco de Assis, da bondade, voltado para os bens universais coletivos. A mensagem do Papa Francisco ultrapassa os limites do catolicismo tradicional”, afirma o professor.

Mas ele é também o Francisco Xavier, jesuíta e missionário do século 16, que visitou o Oriente à procura de uma maneira não europeia de conversar sobre a mensagem cristã, informa o professor. “O Papa é um missionário que quer conversar com aqueles que não são europeus, que não são cristãos. E está abrindo veredas para a aceitação dos não católicos, numa linguagem de compreensão do outro e não de enfrentamento”, diz Severino Vicente.



E é o Francisco de Sales, bispo de Genebra na época da Reforma Protestante. “Francisco de Sales organiza os católicos de Genebra e das cidades circundantes. O Papa Francisco tem essa capacidade de perceber e administrar os problemas da comunidade. Ele é o missionário neste mundo em crise, aberto para as adversidades do mundo contemporâneo”, diz o historiador.

Falando para o mundo

O Papa que não impõe sua vontade, diz Severino Vicente, fala para o mundo e não só para os católicos. Por isso católicos e não católicos compartilham mensagens com orientações do Papa Francisco via WhatsApp.

“Acho que ele é um homem muito seguro, com clareza de que não está para agradar grupo A ou B. Ele tem uma missão, é um homem de profunda espiritualidade, e vai fazendo aquilo que a consciência dele manda”, diz o teólogo da Unicap Sérgio Vasconcelos.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM