Jornal do Commercio
MISTÉRIO

Jornalista investigativo morre ao cair de uma varanda na Rússia

O jornalista escrevia com frequência sobre corrupção e crime organizado

Publicado em 16/04/2018, às 11h20

Borodin, relatava casos de corrupção e crime organizado com frequência / Foto: Reprodução/Facebook
Borodin, relatava casos de corrupção e crime organizado com frequência
Foto: Reprodução/Facebook
AFP

Um jornalista investigativo, que escreveu, entre outros assuntos, sobre a presença de mercenários na Síria, morreu ao cair da varanda de seu apartamento, informaram os investigadores, que não acharam elementos suspeitos nesta morte.

Maxim Borodin morreu no domingo (15), em um hospital de Ekaterimburgo, nos Urais, devido aos ferimentos da queda, segundo as agências de notícias russas.

Borodin trabalhava para o jornal Novyi Dien e informou recentemente sobre a morte de mercenários russos na Síria, empregados de uma empresa militar privada conhecida como "Grupo Wagner". 



Escrevia regularmente sobre corrupção e o crime organizado.

O representante para a liberdade dos meios de comunicação para a Organização de Segurança e Cooperação da Europa (OSCE), Harlem Desir, afirmou que a morte de Borodin é muito preocupante.

Alerta

Segundo o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ), uma organização com sede em Nova York, 58 jornalistas foram assassinados na Rússia desde 1992


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM