Jornal do Commercio
SÍRIA

May e Macron respondem a seus parlamentos por ataque na Síria

A oposição britânica diz que May segue ordens do presidente dos EUA Trump, Macron afirma legitimidade na ação

Publicado em 16/04/2018, às 09h45

O presidente da França Emmanuel Macron e a primeira-ministra britânica, Theresa May / Foto: AFP/Arquivos
O presidente da França Emmanuel Macron e a primeira-ministra britânica, Theresa May
Foto: AFP/Arquivos
AFP

A primeira-ministra britânica Theresa May e o presidente francês enfrentam nesta segunda-feira (16), as críticas da oposição de seus respectivos parlamentos por causa da operação militar contra a Síria, que não foi alvo de unanimidade.

May comparecerá ante os deputados para explicar sua posição, em um país ainda marcado pela desastrosa invasão do Iraque em 2003 e sua posterior ocupação, que acabou na morte de 179 soldados britânicos e manchou o legado do então premiê, o trabalhista Tony Blair.

Na França, a Assembleia Nacional debaterá a participação do país na operação de sexta.

Segunda a primeira-ministra, os ataques pretendiam enviar uma "mensagem clara" contra o uso de armas químicas, semanas depois que foram usadas em solo inglês contra o ex-espião russo Serguei Skripal e sua filha Yulia, em um atentado que Londres atribui à Rússia, o principal aliado de Assad.

Ainda não se sabe se a sessão concluirá com uma votação, que seria pura e simplesmente simbólica.

A oposição britânica acusa May de seguir cegamente as ordens do presidente americano Donald Trump.

"Theresa May deveria ter buscado a aprovação parlamentar invés de seguir  Donald Trump", afirmou o líder da oposição, o trabalhalista Jeremy Corbyn.

"O Reino Unido tem de ter um papel de líder para conseguir um cessar-fogo, não obedecer as instruções de Washington", acrescentou.



Para o terceiro maior partido nacional, os democrata-liberais, May nada mais fez do que seguir as ordens de Trump, segundo seu líder Vince Cable.

Macron se defende

Os ataques de sexta para sábado na Síria foram a primeira operação militar de envergadura ordenada pelo presidente Emmanuel Macron, que assumiu há menos de um ano.

Em 2017,  disse que o uso de armas químicas seria para ele uma "linha vermelha" que levaria a "uma resposta imediata".

Falando à imprensa em Paris, Macron disse que os ataques têm "legitimidade internacional", apesar de não estarem amparados por uma resolução da ONU.

Apesar disso, Macron foi criticado pela esquerda e pela direita.

A líder da Frente Nacional, direita radical, Marine Le Pen, o acusou de não ter demonstrado qualquer prova do uso de armas químicas na Síria, crítica à qual se uniu Jean-Luc Melenchon, que encabeça o partido de extrema-esquerda França Insubmissa, e o líder centrista Laurent Wauquiez.

"O presidente da República sabe muito bem que violou o direito internacional, e tenta inventar uma narrativa de legitimidade internacional", acusou Marine Le Pen.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM