Jornal do Commercio
LIBERDADE

Manifestantes e emissora censurada são liberados na Nicarágua

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos pediu que as autoridades nicaraguenses assegurem que haja investigações

Publicado em 24/04/2018, às 17h38

Protestos, com saques e violentos choques entre manifestantes e polícia, deixaram pelo menos 27 mortos / Foto: Inti Ocon / AFP
Protestos, com saques e violentos choques entre manifestantes e polícia, deixaram pelo menos 27 mortos
Foto: Inti Ocon / AFP
AFP

Autoridades da Nicarágua libertaram, nesta terça-feira (24), dezenas de jovens presos nos protestos da última semana, além de terem retirado o bloqueio à transmissão de uma última emissora censurada, informaram fontes de direitos humanos. 

Contudo, a libertação dos presos aconteceu de forma preocupante. "Eles foram deixados na estrada (...) de forma abusiva à dignidade dos detidos e familiares", disse à AFP Gonzalo Carrión, vice-diretor do Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (Cenidh).

Os protestos, com saques e violentos choques entre manifestantes e polícia, deixaram pelo menos 27 mortos, segundo o Cenidh e o governo. 

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos pediu que "as autoridades nicaraguenses assegurem que haja investigações em breve, profundas, independentes e transparentes sobre essas mortes".

Dezenas de manifestantes tinham sido presos desde o início dos protestos, na quarta-feira passada, contra a reforma do sistema previdenciário, um decreto finalmente revogado pelo presidente Daniel Ortega no domingo, embora o clima de tensão tenha permanecido.

A vice-presidente Rosario Murillo anunciou na segunda que o governo tinha aceitado libertar os jovens presos a pedido do arcebispo de Manágua, o cardeal Leopoldo Brenes, a fim de criar um clima propício ao diálogo, para buscar uma saída à turbulência no país.

As autoridades do sistema penitenciário "não querem reconhecer a quantidade de detidos, mas os que foram libertados afirmam que são centenas de presos em celas lotadas", apontou Carrión.

 Canal retoma transmissão

Em outro sinal de distensão, a emissora privada 100% Noticias voltou a transmitir por seu sinal a cabo, após ser bloqueada pelas autoridades no começo das manifestações, quando transmitia os protestos ao vivo.

Quatro canais foram bloqueados, mas três deles recuperaram o sinal em menos de 24 horas.

Jaime Suárez, diretor de um dos veículos bloqueados, o Canal 23, comentou com a AFP que o bloqueio teve efeitos além do tempo fora do ar.

"Os anunciantes começaram a nos ver com receio, acham que se somos uma empresa que tem problemas com o governo, melhor não terem relação conosco", comentou. 

Analistas consideram que a crise vivida na Nicarágua expôs a discordância com as tendências autoritárias do governo de Ortega e a necessidade de abrir espaços democráticos.



"As pessoas querem democracia, liberdade, eleições livres, um governo transparente, separação de poderes, Estado de direito, nós queremos liberdade", declarou o ex-chanceler nicaraguense Norman Caldera à AFP.

 Ortega e Somoza, iguais

Os nicaraguenses parecem fartos depois das manobras de Ortega para conseguir sua reeleição em 2011 e em 2016, e concentrar o poder, controlar o Congresso, assim como a Justiça e o Tribunal Eleitoral.

"Daniel e Somoza são a mesma coisa", afirmavam alguns cartazes na marcha de segunda. O regime de Anastasio Somoza, cuja família governou a Nicarágua com mão de ferro, foi derrubado pela revolução sandinista em 1979.

"Fora Ortega e Murillo", também gritavam os manifestantes para exigir a saída do presidente e de sua mulher e vice-presidente, Rosario Murillo.

Porta-voz do governo, Rosario Murillo tentou acalmar os ânimos com frases como "temos a fé de sairmos unidos, que somos capazes de voltar a nos entender como nos tempos difíceis e retomar as formas de reconciliação".

 Menosprezo

Os manifestantes se apoiaram nas redes sociais para fazer convocações, denunciar e publicar vídeos sobre a forma como seus companheiros tinham sido mortos, ou feridos, o que despertou uma indignação nacional. Isso lançou um desafio aos esforços do governo para controlar a informação em seus veículos de comunicação.

O ex-chanceler Caldera considerou que o primeiro passo para resolver a crise é abrir um diálogo inclusivo.

A Assembleia Nacional aprovou nesta terça, por unanimidade, um "chamado ao diálogo e à paz", disse o deputado oficialista Carlos López, enquanto ativistas exibiam cartazes em frente à sede legislativa.

O governo "deve se abrir à discussão dos mais básicos valores da democracia, a institucionalidade, o Estado de Direito e os direitos humanos", pediu Serrano.

Ortega convocou no sábado o setor privado a um diálogo, mas o poderoso Conselho Superior da Empresa Privada (Cosep) - que era seu aliado desde 2007, até o despertar dessa crise - condicionou o encontro ao fim da repressão, à libertação dos detidos nos protestos e à inclusão de todos os setores da sociedade.

Já o bispo auxiliar de Manágua, Silvio Báez, afirmou que não existem condições para um diálogo e pediu que se detenha "a repressão, que os jovens presos sejam libertados, que se retome a transmissão do Canal 100% Noticias".


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM