Jornal do Commercio
FRANÇA

Governo de Macron começa a executar primeiras privatizações

O objetivo é financiar um fundo de investimento na inovação tecnológica e reduzir parte da dívida pública

Publicado em 13/06/2018, às 14h45

Macron vai autorizar, pela primeira vez,  a venda de participações estatais, inclusive para capital estrangeiro / Foto: AFP
Macron vai autorizar, pela primeira vez, a venda de participações estatais, inclusive para capital estrangeiro
Foto: AFP
AFP

O governo francês anunciou suas primeiras grandes privatizações no governo do presidente Emmanuel Macron, com o objetivo de financiar um fundo para a inovação e reduzir parte da dívida pública.

Segundo um projeto de lei anunciado na noite desta terça-feira (12), o governo reduzirá sua participação no capital da gestora de aeroportos Aeroports de Paris (ADP), na empresa que tem o monopólio da loteria na França, La Francaise des Jeux, e o grupo energético Engie, embora sem especificar as quantidades. 

Segundo o ministro de Economia, Bruno Le Maire, o Estado francês tem um capital total de cerca de 15 bilhões de euros. O que for obtido com a venda será majoritariamente destinado a um fundo público para promover a inovação tecnológica. 

Durante sua campanha presidencial no ano passado, Macron prometeu investir 10 bilhões de dólares em tecnologia como inteligência artificial e digitalização. 

"Estamos passando de uma lógica de gestor a uma lógica de investimento no futuro", disse Le Maire em entrevista ao jornal econômico Les Echos publicada nesta quarta-feira. 

Macron, que já trabalhou em bancos de investimento, vai autorizar pela primeira vez a venda de participações estatais, inclusive para capital estrangeiro, de empresas até então consideradas muito sensíveis. 

Este é o caso da Alstom, que fabrica, entre outros, os conhecidos trens franceses de alta velocidade, e que deve se fundir com a alemã Siemens, que se tornará a acionista majoritária da nova entidade. 

Por sua vez, uma empresa italiana, a Fincantieri, também assumiu o controle da STX, que administra importantes estaleiros no oeste da França, embora sua gestão seja supervisionada pelo governo francês. 



"Trata-se de repensar o lugar do Estado na economia francesa (...), acreditamos que o Estado pode defender melhor o interesse geral por meio de regulação do que estar presente como acionista", disse Le Maire. 

No caso da Aeroports de Paris, que administra os aeroportos Charles de Gaulle, Orly e Le Bourget, todos na região da capital, o Estado possui 50,6% do capital. 

O ministro Le Maire também explicou que a privatização da La Francaise des Jeux, hoje com 72% nas mãos do Estado, será acompanhada de nova legislação sobre jogos de azar.

No caso da Engie, o Estado já vendeu 4,1% de suas ações em janeiro de 2017, o que levou a sua participação para 28,7%. O resultado dessa venda serviu para contribuir para o resgate da empresa nuclear francesa Areva.

O Estado francês é o maior acionista da Engie, que, além de sua produção de eletricidade, é líder em importações de gás natural liquefeito. 

A lei que autoriza as privatizações deve entrar em vigor no início de 2019. 

Nos últimos 20 anos, grandes empresas como a France Telecom, o banco Crédit Lyonnais, a Air France e várias operadoras de rodovias foram progressivamente passando para mãos privadas. 

No entanto, o Estado ainda tem uma presença importante na defesa, na indústria nuclear e em outras empresas da indústria pesada que deseja manter, por enquanto, em nome da segurança e da soberania nacional. 

Desde a década de 1970, a França aprova um orçamento em equilíbrio e sua dívida pública representa quase 100% de seu Produto Interno Bruto (PIB), nível bem acima da meta de 60% da União Europeia.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM