Jornal do Commercio
Série especial

Governo brasileiro reteve avião britânico durante a Guerra das Malvinas

Brasil ficou numa saia justa no meio do conflito entre argentinos e britânicos

Publicado em 02/04/2012, às 00h02

Wagner Sarmento

A neutralidade “pero no mucho” do Brasil causou um incidente diplomático com o Reino Unido. O bombardeiro britânico Vulcan sofreu uma pane hidráulica em meio a uma missão de combate, não conseguiu realizar o reabastecimento em voo e acabou invadindo o espaço aéreo brasileiro, para não cair no mar. Escoltado por caças F-5E Tiger II, fez um pouso de emergência no aeroporto do Galeão, no Rio, em 3 de junho de 82. A aeronave acabou retida. O Brasil, então, passou a ser pressionado: os britânicos queriam o aparelho de volta e os argentinos afirmavam que liberar o avião seria favorecer o inimigo.

O documento número 011650 do Sistema Nacional de Informações (SNI), disponibilizado pelo Arquivo Nacional, revela o embaraço diplomático decorrente do episódio. “Se atendêssemos ao pedido argentino, o Reino Unido poderia exigir-nos a aplicação do estatuto da neutralidade também em relação à Argentina, o que seria incompatível com as diversas formas de apoio que temos dado ao nosso vizinho”, diz a correspondência, que evidencia o favorecimento – não oficial – ao país vizinho. “Nas circunstâncias, parece necessário procurar uma solução sui generis, de caráter prático, que atenda ao máximo à Argentina e que sirva de argumento ao Reino Unido para outras questões”, completa.

Receoso de prejudicar a Argentina, o regime militar não soube o que fazer com o Vulcan. A indefinição fez o Brasil correr risco de sofrer retaliação do Reino Unido. No mesmo documento do SNI, as palavras do então embaixador britânico em Brasília, George William Harding, mostram o tamanho da indignação do governo de Margaret Thatcher. “À luz das antigas e amistosas relações entre o Reino Unido e o Brasil, o governo de Sua Majestade acredita ter o direito de esperar tratamento equilibrado na atual situação de crise.

Nesse contexto, tem conhecimento de que aviões militares argentinos e outras aeronaves utilizaram e continuam utilizando aeroportos brasileiros ao transportarem equipamento militar para uso pela Argentina”, reclamou. “Já foi explicado ao embaixador britânico que o governo brasileiro não tem interesse em participar de operações triangulares para o fornecimento de armas”, respondeu o Brasil, que devolveu o bombardeiro aos britânicos sem os armamentos e em troca da garantia de que ele não seria usado na guerra. O Vulcan retornou à base na ilha britânica de Ascensão.

 

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

20 anos do novo cinema pernambucano: de Baile Perfumado a Aquarius 20 anos do novo cinema pernambucano: de Baile Perfumado a Aquarius
Nos últimos 20 anos, o cinema pernambucano ganhou em diversidade e número de filmes produzidos
História das eleições no Recife História das eleições no Recife
JC faz resgate histórico do processo de escolha de prefeitos no Recife.
À luz de Verger À luz de Verger
Especial faz releitura do trabalho do fotógrafo francês Pierre Verger, um dos principais antropólogos e historiadores da cultura brasileira.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2016 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM