Jornal do Commercio
Série especial

Governo brasileiro reteve avião britânico durante a Guerra das Malvinas

Brasil ficou numa saia justa no meio do conflito entre argentinos e britânicos

Publicado em 02/04/2012, às 00h02

Wagner Sarmento

A neutralidade “pero no mucho” do Brasil causou um incidente diplomático com o Reino Unido. O bombardeiro britânico Vulcan sofreu uma pane hidráulica em meio a uma missão de combate, não conseguiu realizar o reabastecimento em voo e acabou invadindo o espaço aéreo brasileiro, para não cair no mar. Escoltado por caças F-5E Tiger II, fez um pouso de emergência no aeroporto do Galeão, no Rio, em 3 de junho de 82. A aeronave acabou retida. O Brasil, então, passou a ser pressionado: os britânicos queriam o aparelho de volta e os argentinos afirmavam que liberar o avião seria favorecer o inimigo.

O documento número 011650 do Sistema Nacional de Informações (SNI), disponibilizado pelo Arquivo Nacional, revela o embaraço diplomático decorrente do episódio. “Se atendêssemos ao pedido argentino, o Reino Unido poderia exigir-nos a aplicação do estatuto da neutralidade também em relação à Argentina, o que seria incompatível com as diversas formas de apoio que temos dado ao nosso vizinho”, diz a correspondência, que evidencia o favorecimento – não oficial – ao país vizinho. “Nas circunstâncias, parece necessário procurar uma solução sui generis, de caráter prático, que atenda ao máximo à Argentina e que sirva de argumento ao Reino Unido para outras questões”, completa.

Receoso de prejudicar a Argentina, o regime militar não soube o que fazer com o Vulcan. A indefinição fez o Brasil correr risco de sofrer retaliação do Reino Unido. No mesmo documento do SNI, as palavras do então embaixador britânico em Brasília, George William Harding, mostram o tamanho da indignação do governo de Margaret Thatcher. “À luz das antigas e amistosas relações entre o Reino Unido e o Brasil, o governo de Sua Majestade acredita ter o direito de esperar tratamento equilibrado na atual situação de crise.

Nesse contexto, tem conhecimento de que aviões militares argentinos e outras aeronaves utilizaram e continuam utilizando aeroportos brasileiros ao transportarem equipamento militar para uso pela Argentina”, reclamou. “Já foi explicado ao embaixador britânico que o governo brasileiro não tem interesse em participar de operações triangulares para o fornecimento de armas”, respondeu o Brasil, que devolveu o bombardeiro aos britânicos sem os armamentos e em troca da garantia de que ele não seria usado na guerra. O Vulcan retornou à base na ilha britânica de Ascensão.

 

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM