Jornal do Commercio
eleições nos EUA

Rejeição a Hillary levou à inesperada vitória de Trump no Wisconsin

Candidato republicano Donald Trump venceu pela diferença de 1%. Democratas não perdiam no Wisconsin desde 1984

Publicado em 09/11/2016, às 18h07

Rubens Costa acredita que Trump pode favorecer economia do Wisconsin, mas trazer danos ambientais e aumento de custos agrícolas / Facebook/Reprodução
Rubens Costa acredita que Trump pode favorecer economia do Wisconsin, mas trazer danos ambientais e aumento de custos agrícolas
Facebook/Reprodução
Marcelo Pereira

 

Uma das derrotas mais inesperadas dos democratas na eleição a Presidente nos Estados Unidos foi em Wisconsin, que havia dado duas vitórias ao presidente Barack Obama nas eleições anteriores e onde não perdiam desde 1984, quando Ronald Reagan venceu Walter Mondale. A candidata do Parido Democrata, Hillary Clinton, teve 46,9% contra 47,9% do candidato do Partido Republicano, Donald Trump, que ao final foi eleito para governar o país por ter mais delegados por Estado, embora tenha menos votos populares.

“Foi surpreendente. Ninguém esperava a vitória Trump. Foi a eleição mais diferente dos últimos 30 anos”, diz o pernambucano Rubens Costa, que mora na cidade de Milwaukee e migrou há três décadas para os EUA, onde votou nos cinco pleitos mais recentes para a Presidência da República. “Trump era visto inicialmente como uma comédia, não era levado a sério. Mas com a injeção enorme de dinheiro começou a conquistar um eleitorado importante: o homem branco de alto poder aquisitivo e o de classe média, que é maioria na região”.

Para Rubens, diretor de operações de uma empresa que trabalha com grandes projetos de iluminação, incluindo cidades e estádios, a promessa de Trump de renovar as licenças as minas de carvão pode ter influído “Nos últimos anos, Wisconsin investiu em novas fontes de energia, em hidrelétrica e em nuclear. A proposta de Trump pode ser boa do ponto de vista econômica, mais é deplorável para o meio ambiente”.

EFEITO COLATERAL

Wisconsin é um dos maiores criadores de gado e produtores de leite, carne e derivados dos Estados Unidos, atraindo milhares de migrantes americanos que trabalham durante os meses mais quentes do ano. “Com o novo estímulo à indústria de carvão, há um temor de elevação nos custos da economia agrícola, pois esta mão de obra migrante deve desaparecer”. Então o que teria levado o candidato republicano à vitória? “A população que votou em Trump certamente não queria Hillary Cinton como candidata democrata. Ela tinha altos índices de rejeição nas pesquisas e isto influenciou no resultado”, disse Rubens Costa.

Ao contrário de Trump, que visitou o Wisconsin dias antes da eleição, Hillary teve a soberba de não aparecer por lá desde que foi indicada pelo Partido Democrata e pagou caro por isto.

 

 

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus
O JC preparou um hotsite especial em homenagem ao ator e diretor Jose Pimentel, o eterno Jesus Cristo do teatro pernambucano
Nordeste Renovável Nordeste Renovável
Com a força dos ventos e a incidência solar, o Nordeste desponta como oásis. Não só para o turismo, nem apenas no Litoral. Na geração de energia sustentável está a nova fonte de riqueza da Região, principalmente no interior
Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM