Jornal do Commercio
PETRÓLEO

ONGs levam Noruega a julgamento por explorar petróleo no Ártico

Greenpeace está entre as ONGs que processou o Estado norueguês por infringir acordo de clima

Publicado em 14/11/2017, às 16h56

Pessoas estão fazendo fila fora de um tribunal em Oslo, onde o Governo norueguês estava sendo processado / Foto: AFP
Pessoas estão fazendo fila fora de um tribunal em Oslo, onde o Governo norueguês estava sendo processado
Foto: AFP
AFP

A Noruega, o maior produtor de petróleo da Europa Ocidental, comparece nesta terça-feira (14) ante a Justiça em um processo aberto por várias ONGs, inclusive o Greenpeace, que denunciam a concessão de licenças de prospecção no Ártico.

Junto com as organizações Natur og Ungdom e Grandaparents' Climate Campaign, o Greenpeace processou o Estado norueguês em protesto contra a autorização concedida em 2016 para a prospecção petroleira em águas árticas do Mar de Barents. 

Os autores da ação acusam a Noruega de infringir o Acordo de Paris sobre o clima, que este país foi um dos primeiros a ratificar, e uma disposição da Constituição, modificada em 2014, que garante o direito a um meio ambiente saudável.

Segundo eles, trata-se da primeira denúncia apresentada contra um Estado, em outubro de 2016, e apoia-se nos acordos firmados durante a COP21, que entraram em vigor em novembro de 2016.

"Para nós está claro que a prospecção é uma violação do Acordo de Paris e da Constituição norueguesa, e desejamos levar essas questões ao tribunal", declarou Truls Gulowsen, responsável do Greenpeace Noruega, em comunicado publicado na segunda-feira.

Nos argumentos preliminares, a advogada dos autores do processo, Cathrine Hambro, pediu ao tribunal que determine se a decisão de prospectar o petróleo "aparecia nas diretrizes existentes de decisões suscetíveis a ter consequências irreversíveis", informou a agência de notícias NTB.



A Noruega, cuja renda por petróleo desaba - a produção caiu à metade desde 2011 -, concedeu em maio de 2016 dez licenças, cobrindo 40 blocos e 13 grupos petroleiros, incluindo o nacional Statoil, os americanos Chevron e ConocoPhillips, o alemão DEA, o japonês Idemitsu, o sueco Lundin, o austríaco OMV e o russo Lukoil.

Proteger gerações futuras

A Noruega explicou que "a concessão de novas licenças de produção (...) satisfazia as exigências resultantes do parágrafo 112 da Constituição e que a validade das concessões não pode ser atacada com base nisso", disse Ole Berthelsen, porta-voz do Ministério de Petróleo e Energia. 

Três dessas licenças, as mais contestadas, correspondem a uma região marítima fronteiriça e totalmente inexplorada até agora, que Noruega e Rússia disputavam até a conclusão de um acordo em 2010. Uma dessas áreas é a mais ao norte que a Noruega jamais abriu à prospecção, e as ONGs se mostraram preocupadas por estar muito perto da banquisa.  "Todo governo tem o dever de proteger os direitos das pessoas a um meio ambiente saudável", destacou Ingrid Skjoldvaer, porta-voz da Natur og Ungdom, em comunicado conjunto. 

Graças ao petróleo, o país nórdico constituiu o maior fundo soberano do mundo, de cerca de um bilhão de dólares atualmente.  Em junho, a Noruega propôs abrir à exploração petroleira um número recorde de blocos em águas árticas do Mar de Barents.  Entre os blocos oferecidos às companhias petroleiras, 93 estão situados no Mar de Barents e os outros nove no Mar da Noruega, também por cima do círculo polar. 

"Uma decisão a favor dos defensores do meio ambiente será notável e poderá abrir jurisprudência, por isso o que está em jogo é importante", declarou o professor de Direito da Universidade de Oslo, Ole Kristian Fuachald, à radiotelevisão NRK.

Prevê-se que o julgamento se prolongue até 23 de novembro, em Oslo.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM