Jornal do Commercio
Educação

Bullying na escola é mais sério do que se imagina

Professora dá dicas para pais detectarem o problema

Publicado em 18/08/2011, às 18h31

Luiza Pinto Moura

Uma das perguntas que mais vêm sendo realizadas, e que na realidade não consegue silenciar principalmente por profissionais da educação é: como evitar o Bullying dentro das escolas? Mas o que quer dizer o termo Bullying?
Bullying é a violência psicológica ou física, intencionais e repetidas praticados por um indivíduo ou por um grupo de indivíduos com a finalidade de intimidar ou agredir outro indivíduo ou grupo que é incapaz de se defender de tal agressão.

Existem agressores e vítimas. Em muitos casos, o agressor, ou bullie, como é chamado, é ou foi vítima de Bullying provocado por outra pessoa ou grupo. Ele, geralmente possui a personalidade autoritária combinada com forte necessidade de controlar ou dominar. Se seu filho possui tais características, fique atento.

Para evitar problemas, os pais desempenham um papel muito importante. Devem estar atentos a quaisquer sinais que possam denunciar o Bullying, já que seu filho pode estar sendo a vítima ou até mesmo vitimando alguém. Desta forma, os pais devem estar atentos a alguns fatores:
-Aumento de agressividade do filho, o que pode revelar que ele é o agressor, e assim não ter a consciência do sofrimento que causa em outra criança.
- Não se torne um hiper-protetor, mas vigie-o com maior atenção.
- Procure saber quais os tipos de brincadeiras feita com outros amigos e, se possível, solicite aos professores o parecer deles.
Infelizmente os casos de Bullying geralmente não acabam bem, sendo que é possível acompanhar pela mídia diferentes ocorrências causadas pela violência físico-psicológica, como por exemplo, suicídio de adolescentes. É por estes e outros motivos que os pais devem estar sempre atentos à mudança de comportamento do filho. Procurando conversar, transmitindo confiança e o máximo de segurança possível. Caso ele não lhe informe nada, procure levá-lo um médico específico, como um psicólogo, por exemplo, pois ele poderá não estar à vontade para lhe contar o problema que ocorre na escola. Apelidos, palavrões, agressões sejam físicos ou morais se designam Bullying e esse problema pode ser trabalhado na escola e junto a família de forma que o esclarecimento possa sanar males que acontecem, seja no ambiente escolar ou fora dele.

Diariamente, pergunte ao seu filho como foi o dia na escola e analise a expressão e o olhar dele, pois, muitas vezes os pais sabem quando os filhos estão felizes ou não, se estão ou não mentindo, e estreite a relação de amizade com seu filho. Os sintomas que podem evidenciar que seu filho está sofrendo Bullying na escola envolvem reações como dor de estômago e cabeça, vômitos e insônias frequentes. O isolamento, baixo rendimento escolar, conflitos entre irmãos e autoagressão também são provocados pelo Bullying, assim tal problema podem ser percebidos quando há a atenção adequada voltada para seu filho.

Os educadores trabalham muitas vezes casos isolados de Bullying , sem querer aperceber que a situação é mais séria do que se imagina. Diálogo é uma forma de tentar resolver os conflitos existências. Ao invés de acusar, ampare. Não maltrate, auxilie. Assim a paz reinará no espaço que deve ser de socialização e compreensão e não de exclusão: A escola.

Luiza Pinto Moura é professora de língua portuguesa

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM