Jornal do Commercio
Trânsito

Leitor faz sugestões para redução de acidentes com motos

Reportagem do JC inspira medidas pensadas por Edson Figueirôa

Publicado em 24/08/2011, às 09h00

Edson Figueirôa Borges

Li a reportagem "Mutilados" - JC 14/08/11. Há muito tempo, como muitos brasileiros, creio, preocupo-me com o uso de motos como meio de transportes e para trabalho, causando muitos prejuizos pessoais aos usuários, principalmente, e aos cofres da nação em razão das pensões precoces e dos tratamentos para recuperação dos mutilados, muitos deles incapacitados para o resto de suas vidas. Os poucos políticos que ainda se preocupam com nosso Brasil, de fato, deveriam estudar uma lei que diminuisse esse número de acidentes com motos em todo o país.

Em razão das dificuldades econômicas e da dificuldade de locomoção, muitos brasileiros adquirem motos para trabalhar e se locomoverem para seus trabalhos, muitos sem a habilidade necessára e outros com inteira irresponsabilidadem que seja por embriaguez ou falta do mínimo de segurança própria (capacete), sem contar os que usam para praticarem assaltos. Assim, seria muito útil termos uma lei rigorosa do uso de motocicletas, responsabilizando-se até os fabricantes pelos danos causados aos usuários e a terceiros. Essa lei, que espero um dia estar em discussão nas câmaras de vereadores, de deputados estaduais e deputados federais (sonhar só faz bem), poderia ter os seguintes tópicos: 1) Todo motociclista deverá estar habilitado e usar os equipamentos de segurança tais como: capacete adequado para impactos, bota de couro, joelheira resistente apropriada, calça de couro ou de outro material resistente apropriado, cotoveleira apropriada, protetor de antebraço, luva de couro ou de outro material resitente apropriado e casaco de couro com proteções de ombro ou de outro material resistente apropriado, protetor de coluna.

Com a exigência por lei do uso desses equipamentos de segurança, provavelmente diminuiria drasticamente o uso do número de acidentes, como também do de usuários, devido ao custo de aquisição desses materiais. Poderia se obrigar também os fabricantes a venderem as motos com a inclusão desses equipamenos de segurança sugeridos. 2) Em caso de invalidez por acidente de motos fazer com que os fabricantes sejam responsáveis também pelo pagamento de pensões aos usuários acidentados, assim como pelas despesas hospitalares, diminuindo assim as despesas da nação. Era só informar marca da moto, número de séria, número da placa e do proprietário. 3) Aumentar a taxa de IPI e ICMS ao dobro do que é cobrada hoje. Espero que outro brasileiros se pronunciem sobre o assunto, forçando assim os poucos políticos ainda sérios a enfrentarem os fabricantes e colocarem em votação esse assunto, que está ceifando milhares de vidas de jovens brasileiros e deixando outros milhares mutilados e inutilizados para o reso de suas vidas.

Palavras-chave


Comentários

Por Benito,02/10/2017

O engraçado desses artigos, é que ninguém atentou que a própria legislação do transito, contribui para gerar acidentes e gastos exorbitantes com internações hospitalares. Quem já não observou motociclistas descalços e de bermudas e camisetas, a mais de cem pelas ruas da cidade e até nas rodovias. Pois saibam, tudo permitido pelas leis de transito, os pés do motociclista prevenido, é instrumento salvador de uma derrapagem, e como fica equilibrar a moto com eles nus ? Como estamos no Brasil , onde coisas incríveis aos olhos dos países desenvolvidos , acontecem. Que assim continue, pois somos mais inteligentes e eficazes que os outros.

Por Wilson Rodrigues da Luz,16/10/2015

A priori o funcionário público até que prove o contrário é o câncer do Brasil. Só não enxerga, quem não quer. O Brasil antes Lula, e o Brasil após o governo Lula. Existem muitos problemas, ainda para serem resolvidos, mas, o governo Lula foi o que mais desenvolveu o Brasil, após o governo de Juscelino. Agora critícar é uma coisa natural de todo cidadão, até porque o nosso Cristo, não agradou a todos.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM