Jornal do Commercio
Trânsito

Leitor faz sugestões para redução de acidentes com motos

Reportagem do JC inspira medidas pensadas por Edson Figueirôa

Publicado em 24/08/2011, às 09h00

Edson Figueirôa Borges

Li a reportagem "Mutilados" - JC 14/08/11. Há muito tempo, como muitos brasileiros, creio, preocupo-me com o uso de motos como meio de transportes e para trabalho, causando muitos prejuizos pessoais aos usuários, principalmente, e aos cofres da nação em razão das pensões precoces e dos tratamentos para recuperação dos mutilados, muitos deles incapacitados para o resto de suas vidas. Os poucos políticos que ainda se preocupam com nosso Brasil, de fato, deveriam estudar uma lei que diminuisse esse número de acidentes com motos em todo o país.

Em razão das dificuldades econômicas e da dificuldade de locomoção, muitos brasileiros adquirem motos para trabalhar e se locomoverem para seus trabalhos, muitos sem a habilidade necessára e outros com inteira irresponsabilidadem que seja por embriaguez ou falta do mínimo de segurança própria (capacete), sem contar os que usam para praticarem assaltos. Assim, seria muito útil termos uma lei rigorosa do uso de motocicletas, responsabilizando-se até os fabricantes pelos danos causados aos usuários e a terceiros. Essa lei, que espero um dia estar em discussão nas câmaras de vereadores, de deputados estaduais e deputados federais (sonhar só faz bem), poderia ter os seguintes tópicos: 1) Todo motociclista deverá estar habilitado e usar os equipamentos de segurança tais como: capacete adequado para impactos, bota de couro, joelheira resistente apropriada, calça de couro ou de outro material resistente apropriado, cotoveleira apropriada, protetor de antebraço, luva de couro ou de outro material resitente apropriado e casaco de couro com proteções de ombro ou de outro material resistente apropriado, protetor de coluna.

Com a exigência por lei do uso desses equipamentos de segurança, provavelmente diminuiria drasticamente o uso do número de acidentes, como também do de usuários, devido ao custo de aquisição desses materiais. Poderia se obrigar também os fabricantes a venderem as motos com a inclusão desses equipamenos de segurança sugeridos. 2) Em caso de invalidez por acidente de motos fazer com que os fabricantes sejam responsáveis também pelo pagamento de pensões aos usuários acidentados, assim como pelas despesas hospitalares, diminuindo assim as despesas da nação. Era só informar marca da moto, número de séria, número da placa e do proprietário. 3) Aumentar a taxa de IPI e ICMS ao dobro do que é cobrada hoje. Espero que outro brasileiros se pronunciem sobre o assunto, forçando assim os poucos políticos ainda sérios a enfrentarem os fabricantes e colocarem em votação esse assunto, que está ceifando milhares de vidas de jovens brasileiros e deixando outros milhares mutilados e inutilizados para o reso de suas vidas.

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM