Jornal do Commercio
artigo

PMDB em retirada... por ora

Saída do partido do governo Dilma foi oficializada na terça-feira (29)

Publicado em 30/03/2016, às 06h00

Do JC Online

BR_JC_10: JC-OPINIOES-1_MATERIAL <0330_01_OPI_06> [JC1] ... 30/03/16

Foi oficializada ontem à tarde a debandada que ganhou contornos mais precisos após a divulgação da carta do vice-presidente da República, Michel Temer, para a presidente Dilma Rousseff, no final do ano passado. A saída do PMDB do governo engrossa o cordão dos insatisfeitos com a gestão petista, amplia as dificuldades de manutenção da base aliada no Congresso, e pode abrir a porteira para que outros partidos da base façam o mesmo - se não considerarem o bastante a liberação das bancadas para a votação na comissão que analisa o pedido de impeachment de Dilma na Câmara. 

A agremiação que comandou a transição do regime militar para a democracia, na década de 1980, e obteve ao longo dos anos a pecha de fisiologista por integrar todos os governos desde então, dificilmente abandonaria o barco se não vislumbrasse no difícil momento atual a oportunidade de sair da sombra e exercer ainda mais o poder. A perspectiva gerada pelo processo de impeachment e abraçada explicitamente pelos peemedebistas é a substituição de Dilma por Temer, com metade do mandato a ser cumprido. 

A reunião em que o destino do partido foi selado serviu como uma manifestação pública em prol do impeachment. A entrega dos cargos na administração federal joga o PMDB, na prática, na oposição, pelo menos enquanto não se define o destino de Dilma. E gera para o governo duas questões imediatas: o tamanho da crise proporcionada pela ausência do PMDB, e o preenchimento dos cargos pelos partidos remanescentes em uma base política esfacelada e desarticulada. 

Como o PMDB é o PMDB, o licenciamento de eventuais ocupantes de cargos, inclusive ministros, não está fora de cogitação. Seguindo a lógica do zigue-zague que acompanha o pêndulo do poder, também não se deve tomar a “reunião histórica” de ontem como favas contadas. Fiel às conveniências, o PMDB pode retornar à base aliada adiante, se o processo de impeachment não passar no Congresso. O pior é que não seria surpresa o retorno pródigo do PMDB aos braços de Dilma e do PT - muito menos o acolhimento dos petistas ao PMDB.

A independência postulada para justificar o afastamento sem vinculação com o impeachment, por outro lado, não convence ninguém - e foi desmentida pela imagem contundente dos integrantes do partido pedindo a saída do PT e gritando “Temer presidente”. Liderado por profissionais da simbiose política, o PMDB deixa o governo apostando no agravamento da crise e na fragilização irreversível da base de Dilma, em deterioração já observada no Palácio do Planalto e no PT. Neste cenário, o impedimento de Dilma, ou mesmo sua renúncia, seria um caminho sem volta, possibilitando a ascensão de Temer e do PMDB.

O pragmatismo do partido de Cunha, Sarney e Renan Calheiros faz com que o desembarque de um aliado de 13 anos da nau petista tenha importância apenas relativa - pois seja qual for o desfecho do impeachment, o surrado terno da governabilidade dificilmente deixará de constar do figurino do PMDB.

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM