Jornal do Commercio
excesso

Opinião: Compulsão à internet

Especialista afirma que uso inadequado da internet pode provocar ao mesmo tempo prazer e sofrimento

Publicado em 27/06/2017, às 17h25

Problema está no tempo em que a pessoa faz uso da internet / Foto: Pixabay
Problema está no tempo em que a pessoa faz uso da internet
Foto: Pixabay
Roberto Fragoso Lins*

A internet é um dos principais veículos de comunicação que mais vem ocupando espaço em nossas vidas, sendo um excelente instrumento para pesquisar, estudar, ler livros (digitais), jornais, conversar com os amigos, entre tantas outras coisas, existindo ainda a facilidade de se poder acessar de celulares, PC’s, notebooks, tabletes etc. O problema está no tempo em que a pessoa faz uso dela, se for excessivo.

O uso inadequado da internet pode estar associado a diversas patologias psíquicas, ora aparecendo como condição secundária a elas, ora constituindo-se numa condição primária da própria patologia. No primeiro caso teríamos a manifestação de alguns transtornos através da internet, como seria o caso da adicção (dependência) ao jogo e ao sexo e, no segundo caso, como a nova descrição psicopatológica da adicção à internet, ou seja, um padrão de comportamento caracterizado pelo intenso envolvimento em relação ao seu uso (compulsório).

Em 2005, sete sul-coreanos morreram de parada cardíaca ou exaustão de tanto jogarem na internet. Esse fato provavelmente foi até agora o mais grave. Entretanto, existem milhares de outros casos envolvendo a compulsão pela internet e por jogos on-line que podem trazer problemas diversos para o indivíduo. Entre eles, podemos observar: pensamentos obsessivos em relação ao que está ocorrendo na rede, levando a pessoa a aumentar o tempo de ficar conectada e a incapacidade de se desconectar; prejuízos em setores como social, ocupacional, acadêmico ou recreativo.



Mudanças

O indivíduo pode apresentar mudanças significativas nos horários da refeição, podendo ficar privado do sono; apresentar depressão; fobia social; bem como alguns sinais de abstinência (inquietação, irritabilidade, entre outros).

O indivíduo que apresenta tal quadro se vê refém de sua compulsão e tal condição pode provocar ao mesmo tempo prazer e sofrimento. Sair dessa situação será difícil. Essa pessoa vai precisar o quanto antes de um tratamento medicamentoso e uma boa psicoterapia, a fim de ajudá-la a superar o quadro clínico apresentado e poder assim retomar sua vida de forma satisfatória.

*Roberto Fragoso Lins é psicólogo e mestre em Psicologia Clínica 


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM