Jornal do Commercio
Opinião

Opinião: A Chesf do futuro

Ministro de Minas e Energia, Fernando Filho fala sobre a Chesf

Publicado em 22/07/2017, às 22h00

Fernando Filho opina sobre a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco / Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Fernando Filho opina sobre a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
JC Online

FERNANDO FILHO

 Como bom nordestino, cresci aprendendo a respeitar e a admirar a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco - a Chesf. Uma empresa que ao longo desses 69 anos sempre representou na vida de todos muito mais do que uma geradora de energia. Foi propulsora de desenvolvimento e tecnologia. Um legado de extrema importância, numa região historicamente marcada pela escassez de investimentos.

Nos últimos anos, não é segredo para ninguém, a Chesf passou por uma grave crise financeira. Uma série de decisões equivocadas, tomadas em momentos anteriores, fizeram a empresa mergulhar na maior crise de sua história. Até o pagamento dos salários dos funcionários esteve ameaçado, por falta de recursos. Quando assumimos o Ministério de Minas e Energia, há pouco mais de um ano, reunimos os dirigentes da Chesf e traçamos um plano de recuperação para a empresa. Havia 111 obras da Companhia paralisadas. Ainda em 2016 concluímos 30 e estamos trabalhando para que até o final do ano que vem todas estejam entregues.



É fundamental, para todo o país, que seja discutido e firmado o novo marco legal do setor elétrico. Temos de corrigir distorções, recuperar empresas e garantir a estabilidade que o mercado exige. Também será necessário promover ajustes administrativos, que já estão sendo realizados, para que os custos sejam mais racionais.

EMPENHO

O nosso empenho é para que a Chesf volte a ser uma empresa forte, pioneira e capaz de encher o povo nordestino de orgulho. A companhia permanecerá sendo pública, porque ela é um patrimônio nosso. A Chesf terá o papel de liderar, para os próximos anos, as pesquisas voltadas ao desenvolvimento de energias limpas e renováveis, que começam a crescer em volume de investimentos por todo o Nordeste. A Chesf do futuro, a Chesf que queremos, está conectada às universidades e escolas técnicas, à recuperação do Rio São Francisco, formando inteligência e acumulando conhecimento. Uma empresa cada vez mais forte e valorizada.

Fernando Filho é ministro de Minas e Energia


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Não nos enganemos: É um dos defensores de Temer!,23/07/2017

Para que publicar este texto do filho de Fernando Bezerra Coelho (FBC)? Mais um que entrou na político-hereditária do Brasil como deputado federal, depois do pai se aliar com o presidente mais impopular da história do Brasil, "ganhou" um ministério, que votou pelo impeachment de Dilma, para colocar Temer, votou pela Reforma Trabalhista, e vai votar para que Temer não seja investigado, apesar de tudo que vimos e escutamos sobre o quadrilheiro. Ademais, está pretendendo privatizar a CHESF, que tanto elogiou aqui. É um defensor de Temer: um dos que NÃO DEVE SER REELEITO EM 2018!

Por Alexandre,23/07/2017

Muito bonito o pensamento deste garoto sobre a Chesf. Pena que pertença a uma família colonialista que sobrecarrega e desta empresa tira suas mais profundas riquezas sem sequer citar ao Rio São Francisco, mola propulsora da empresa, citar. Pobre Chico, só faz apanhar do mesmo Pau que dá em Francisco!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM