Jornal do Commercio
Artigo

Opinião: 'A degeneração contra a história do PMDB'

Doutor em Sociologia, José Arlindo Soares opina sobre o partido

Publicado em 13/09/2017, às 07h01

"Ponto de inflexão da degeneração foi se aprofundado a partir da aliança com os governos do PT", afirma José Arlindo
Foto: ABr
José Arlindo Soares*

O sociólogo Alemão Max Weber afirmou, no início do Séc. XX, que os partidos de massa no início defendem princípios e em seguida passam a defender a simples reprodução de seus quadros. A assertiva de Weber assume, no Brasil, uma caricatura grotesca à medida que as elites partidárias criaram uma um invólucro de proteção que só agora começa a ser desvendado pelas investigações da operação Lava Jato.

Na verdade, em três décadas, os três principais partidos do País se transformaram em suas próprias antíteses e a cada dia revelam à nação cenas degradantes que fazem a população desprezar e enojar qualquer ideário político, o que pode colocar em risco a própria democracia. O MDB que veio a se transformar em PMDB nasceu para ser a oposição consentida ao governo militar e, aos poucos, se transformou em um grande canal democrático por onde trafegaram grupos de diferentes tendências ideológicas, não apenas na frente de combate à ditadura, mas nas diferentes visões da construção de um país moderno e socialmente justo. Com característica de partido ônibus, onde se ingressa sem nenhum controle, o canal de representação se transformou em uma federação de líderes, sem identidade programática e dispostos a servir de apoio a qualquer conjugação política que estivesse no poder central e que não atrapalhasse as pretensões predatórias dos caciques da legenda.



No caso do PMDB, a degeneração tenta vencer à resistência. O ponto de inflexão da degeneração foi se aprofundado a partir da aliança com os governos do PT, quando recebeu o aval de que tudo vale para manter o projeto de poder. Não que os caciques aprenderam o caminho da predação do patrimônio público com o PT; apenas ficaram mais à vontade para violar a ética, estando ao lado de um grupo que ainda tinha uma base social defensora do fortalecimento dos valores democráticos, da moralidade e da transparência nos negócios nos públicos. Agora, rompida a aliança promíscua, a direção do PMDB, implicado em mais de uma dúzia de denúncias pelo Ministério Público, entra na fase de desespero, do “salve-se a qualquer custo”, sem preocupação com o sentimento da opinião pública.

Com a tentativa de apoderar-se do PMDB de Pernambuco, que votou pela aceitação da denúncia para processar o presidente Temer, a direção nacional entra na fase do tudo ou nada, fazendo desaparecer qualquer prurido em relação à própria tradição do partido de respeito à pluralidade. Isso implica em um passaporte para o fracasso.

*José Arlindo Soares é dr. em Sociologia


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM