Jornal do Commercio
Artigo

ESCÓCIA, CATALUNHA E O NORDESTE BRASILEIRO

Artigo de Gustavo Maia Gomes, economista e professor da UFPE

Publicado em 08/10/2017, às 03h23

Gustavo Maia Gome
economista e professor da UFPE

A Escócia quer ser independente; a Catalunha quer ser independente; alguns jornalistas mal informados e economistas que erraram as contas voltam a brincar com a ideia de que o Nordeste brasileiro se torne independente. Nada tenho a dizer sobre a Escócia ou a Catalunha. Mas, um Nordeste transformado em país sob a justificativa de que nossa pobreza (sim, sou nordestino — e moro no Recife) se explicaria pela suposta "exploração" por parte do Sudeste, esse Nordeste seria um sério candidato a Haiti.

Ao contrário de ser explorado, o Nordeste vem recebendo há décadas transferências líquidas de renda (e/ou de capitais) do restante do país. (Ou do mundo, mas essas entradas internacionais têm magnitude desprezível.) O indicador mais claro de que somos recebedores líquidos de transferências é que temos tido um persistente saldo negativo na balança comercial, tanto com as demais regiões quanto com o resto do mundo. (O comércio interregional é mal coberto pelas estatísticas brasileiras, mas as poucas que existem me permitem afirmar isso.)

Até dez ou vinte anos, tínhamos saldo comercial positivo com o resto do mundo (porém negativo — e maior, em valor absoluto — com as demais regiões). Desde então, somos deficitários nos dois comércios. O financiamento desse duplo déficit, por definição, só pode se dar pela entrada líquida de recursos vindos de outras regiões ou de outros países. Reconhecer isso não equivale a reservar ao Nordeste o papel de bandido, enquanto as demais regiões seriam os mocinhos do filme. Significa dizer que não podemos explicar nossa pobreza nesses termos simplórios de quem rouba quem. O
Haiti pensou que podia e se lascou.



O Nordeste tem um crédito enorme com as demais regiões (especialmente, o Norte da borracha e o Sudeste da indústria) como fornecedor de mão de obra não-especializada.

De certa forma, o Brasil tem um débito enorme com os nordestinos (para ser sincero, não apenas com os nordestinos!) por nunca lhes ter oferecido uma educação obrigatória, universal e de qualidade, que os credenciasse a ser produtivos e ricos, fazendo com que a região também se tornasse rica e produtiva.

Por esse caminho — o de romper as condições estruturais que, realmente, explicam nossas dificuldades — podemos iniciar uma discussão potencialmente frutífera sobre a riqueza e a pobreza das regiões. A velha conversa de coitadinho pra cá, coitadinho pra lá só nos levará, mesmo, a continuar dependendo do dinheiro alheio.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Pensador,08/10/2017

Simplificando o autor do texto chamou o Nordeste de incapaz e sanguessuga. Afinal, já que não temos capacidade de nos desenvolver devemos continuar vivendo "as custas" de outras regiões (típico pensamento marxista). Discordo do autor, o Nordeste deveria seguir os mesmo passos da região Sul que sonha com sua independência, pois a maioria dos tributos arrecadados no país são tomados pela União (Governo Federal) que devolve menos da metade aos Estados e Municípios. Por conta disso, para esses funcionarem, precisam também cobrar mais impostos a sociedade fazendo com que nossa carga tributária seja pesada e sem margem para diminuição. O Brasil é um dos poucos países no mundo que possuem 3 esferas do executivo, 3 do legislativo e 2 do judiciário. Enquanto for assim a máquina pública será pesada e sem margem para diminuição de tributos (Custo Brasil). A única solução é a independência dos Estados.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM