Jornal do Commercio
Artigo

ESCÓCIA, CATALUNHA E O NORDESTE BRASILEIRO

Artigo de Gustavo Maia Gomes, economista e professor da UFPE

Publicado em 08/10/2017, às 03h23

Gustavo Maia Gome
economista e professor da UFPE

A Escócia quer ser independente; a Catalunha quer ser independente; alguns jornalistas mal informados e economistas que erraram as contas voltam a brincar com a ideia de que o Nordeste brasileiro se torne independente. Nada tenho a dizer sobre a Escócia ou a Catalunha. Mas, um Nordeste transformado em país sob a justificativa de que nossa pobreza (sim, sou nordestino — e moro no Recife) se explicaria pela suposta "exploração" por parte do Sudeste, esse Nordeste seria um sério candidato a Haiti.

Ao contrário de ser explorado, o Nordeste vem recebendo há décadas transferências líquidas de renda (e/ou de capitais) do restante do país. (Ou do mundo, mas essas entradas internacionais têm magnitude desprezível.) O indicador mais claro de que somos recebedores líquidos de transferências é que temos tido um persistente saldo negativo na balança comercial, tanto com as demais regiões quanto com o resto do mundo. (O comércio interregional é mal coberto pelas estatísticas brasileiras, mas as poucas que existem me permitem afirmar isso.)

Até dez ou vinte anos, tínhamos saldo comercial positivo com o resto do mundo (porém negativo — e maior, em valor absoluto — com as demais regiões). Desde então, somos deficitários nos dois comércios. O financiamento desse duplo déficit, por definição, só pode se dar pela entrada líquida de recursos vindos de outras regiões ou de outros países. Reconhecer isso não equivale a reservar ao Nordeste o papel de bandido, enquanto as demais regiões seriam os mocinhos do filme. Significa dizer que não podemos explicar nossa pobreza nesses termos simplórios de quem rouba quem. O
Haiti pensou que podia e se lascou.



O Nordeste tem um crédito enorme com as demais regiões (especialmente, o Norte da borracha e o Sudeste da indústria) como fornecedor de mão de obra não-especializada.

De certa forma, o Brasil tem um débito enorme com os nordestinos (para ser sincero, não apenas com os nordestinos!) por nunca lhes ter oferecido uma educação obrigatória, universal e de qualidade, que os credenciasse a ser produtivos e ricos, fazendo com que a região também se tornasse rica e produtiva.

Por esse caminho — o de romper as condições estruturais que, realmente, explicam nossas dificuldades — podemos iniciar uma discussão potencialmente frutífera sobre a riqueza e a pobreza das regiões. A velha conversa de coitadinho pra cá, coitadinho pra lá só nos levará, mesmo, a continuar dependendo do dinheiro alheio.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Pensador,08/10/2017

Simplificando o autor do texto chamou o Nordeste de incapaz e sanguessuga. Afinal, já que não temos capacidade de nos desenvolver devemos continuar vivendo "as custas" de outras regiões (típico pensamento marxista). Discordo do autor, o Nordeste deveria seguir os mesmo passos da região Sul que sonha com sua independência, pois a maioria dos tributos arrecadados no país são tomados pela União (Governo Federal) que devolve menos da metade aos Estados e Municípios. Por conta disso, para esses funcionarem, precisam também cobrar mais impostos a sociedade fazendo com que nossa carga tributária seja pesada e sem margem para diminuição. O Brasil é um dos poucos países no mundo que possuem 3 esferas do executivo, 3 do legislativo e 2 do judiciário. Enquanto for assim a máquina pública será pesada e sem margem para diminuição de tributos (Custo Brasil). A única solução é a independência dos Estados.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Prêmio ISS Recife Prêmio ISS Recife
Principal item da receita própria dos municípios, o Imposto Sobre Serviços (ISS) entra no cofre das prefeituras tanto para custear despesas quanto para viabilizar investimentos nas cidades.
#ConexãoPelaVida #ConexãoPelaVida
Há quase dois séculos, o Real Hospital Português mantém a sua atenção voltada para o bem-estar dos pacientes. Conheça um pouco mais sobre a instituição médica que aos 162 não para de se modernizar
Agreste Empreendedor Agreste Empreendedor
O Agreste pernambucano é a região que mais cresce em Pernambuco. E, por incrível que pareça, a força motriz que puxou esse desenvolvimento foi o empreendedorismo.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM