Jornal do Commercio
Editorial

Editorial: Petrobras está rindo à toa neste primeiro trimestre

Ao mesmo tempo em que anunciava o bom desempenho, a empresa detalhou alguns pontos que permitiram o lucro líquido: aumento dos preços internacionais do petróleo

Publicado em 09/05/2018, às 07h22

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, estava rindo à toa nesta terça-feira e tinha boas razões para isso / Foto: Agência Brasil
O presidente da Petrobras, Pedro Parente, estava rindo à toa nesta terça-feira e tinha boas razões para isso
Foto: Agência Brasil
JC Online

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, estava rindo à toa nesta terça-feira e tinha boas razões para isso. A principal é o lucro líquido de R$ 6,96 bilhões no 1º trimestre de 2018, melhor resultado trimestral desde o início de 2013. “Com este resultado, consolidamos a trajetória de recuperação da Petrobras”. Essa é uma boa notícia sem dono, como um patrimônio do povo brasileiro que volta a ser edificado depois de reduzido a escombros. Pode até ser entendida como resultado de um bom trabalho de gerenciamento, mas não pertence a ninguém especificamente; é uma conquista da nação em meio às tempestades que vêm sendo acentuadas desde que a maior empresa pública do País entrou em trajetória de queda, a partir de 2014, com as investigações da Operação Lava Jato.

Ao mesmo tempo em que anunciava o bom desempenho, a empresa detalhou alguns pontos que permitiram o lucro líquido: aumento dos preços internacionais do petróleo – que saíram de US$ 53,8 na média do 1º trimestre de 2017 para US$ 66,8 neste ano –, o ganho de R$ 3,223 bilhões com a cessão dos direitos dos campos de Lapa, Iara e Carcará, maior lucro com vendas de combustíveis e derivados, maiores margens e volumes na comercialização de gás natural, menores gastos com ociosidade de equipamentos e redução de despesas. Com exceção do primeiro item, que independe da vontade de nossa estatal, os demais têm a ver com processos de um gerenciamento que deve ser sustentável no atual ou em qualquer governo que venha por aí.



Contudo, o sorriso entusiasmado de Parente não é 100% compartilhado quando se verificam casos como do campo de Carcará – primeira venda de um campo do pré-sal na bacia de Santos –, considerado uma das “joias da coroa” vendida à estatal norueguesa Statoil. De outro lado, as fatias dos campos de Lapa e Iara vendidas para a Total – um grupo empresarial com sede em La Défense, Paris –, “a um preço extremamente baixo”, segundo entendimento da Associação dos Engenheiros da Petrobras ao analisar o decreto 9.355/18 que estabelece regras para a cessão de direitos de exploração, desenvolvimento e produção de petróleo, gás natural e outros hidrocarbonetos pela nossa estatal.

Mas essas reticências ao que parece já faziam parte do trabalho destinado a resgatar a Petrobras de seus momentos mais difíceis: “Estamos cumprindo à risca o que prometemos no nosso plano de negócios anunciado em 2016 e o resultado do primeiro trimestre mostra que as escolhas têm sido acertadas e que o esforço tem valido a pena. Nosso objetivo – e ainda há muito o que fazer – é chegar a dezembro com uma empresa que tem indicadores de segurança entre os melhores do nosso setor, financeiramente equilibrada e com sua reputação recuperada”, disse Pedro Parente ao anunciar o desempenho positivo do primeiro
trimestre. Um propósito que tem a ver com as expectativas de todos os brasileiros desde o nascimento da Petrobras em 3 de outubro de 1953


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM