Jornal do Commercio
Editorial

Editorial: Petrobras está rindo à toa neste primeiro trimestre

Ao mesmo tempo em que anunciava o bom desempenho, a empresa detalhou alguns pontos que permitiram o lucro líquido: aumento dos preços internacionais do petróleo

Publicado em 09/05/2018, às 07h22

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, estava rindo à toa nesta terça-feira e tinha boas razões para isso / Foto: Agência Brasil
O presidente da Petrobras, Pedro Parente, estava rindo à toa nesta terça-feira e tinha boas razões para isso
Foto: Agência Brasil
JC Online

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, estava rindo à toa nesta terça-feira e tinha boas razões para isso. A principal é o lucro líquido de R$ 6,96 bilhões no 1º trimestre de 2018, melhor resultado trimestral desde o início de 2013. “Com este resultado, consolidamos a trajetória de recuperação da Petrobras”. Essa é uma boa notícia sem dono, como um patrimônio do povo brasileiro que volta a ser edificado depois de reduzido a escombros. Pode até ser entendida como resultado de um bom trabalho de gerenciamento, mas não pertence a ninguém especificamente; é uma conquista da nação em meio às tempestades que vêm sendo acentuadas desde que a maior empresa pública do País entrou em trajetória de queda, a partir de 2014, com as investigações da Operação Lava Jato.

Ao mesmo tempo em que anunciava o bom desempenho, a empresa detalhou alguns pontos que permitiram o lucro líquido: aumento dos preços internacionais do petróleo – que saíram de US$ 53,8 na média do 1º trimestre de 2017 para US$ 66,8 neste ano –, o ganho de R$ 3,223 bilhões com a cessão dos direitos dos campos de Lapa, Iara e Carcará, maior lucro com vendas de combustíveis e derivados, maiores margens e volumes na comercialização de gás natural, menores gastos com ociosidade de equipamentos e redução de despesas. Com exceção do primeiro item, que independe da vontade de nossa estatal, os demais têm a ver com processos de um gerenciamento que deve ser sustentável no atual ou em qualquer governo que venha por aí.



Contudo, o sorriso entusiasmado de Parente não é 100% compartilhado quando se verificam casos como do campo de Carcará – primeira venda de um campo do pré-sal na bacia de Santos –, considerado uma das “joias da coroa” vendida à estatal norueguesa Statoil. De outro lado, as fatias dos campos de Lapa e Iara vendidas para a Total – um grupo empresarial com sede em La Défense, Paris –, “a um preço extremamente baixo”, segundo entendimento da Associação dos Engenheiros da Petrobras ao analisar o decreto 9.355/18 que estabelece regras para a cessão de direitos de exploração, desenvolvimento e produção de petróleo, gás natural e outros hidrocarbonetos pela nossa estatal.

Mas essas reticências ao que parece já faziam parte do trabalho destinado a resgatar a Petrobras de seus momentos mais difíceis: “Estamos cumprindo à risca o que prometemos no nosso plano de negócios anunciado em 2016 e o resultado do primeiro trimestre mostra que as escolhas têm sido acertadas e que o esforço tem valido a pena. Nosso objetivo – e ainda há muito o que fazer – é chegar a dezembro com uma empresa que tem indicadores de segurança entre os melhores do nosso setor, financeiramente equilibrada e com sua reputação recuperada”, disse Pedro Parente ao anunciar o desempenho positivo do primeiro
trimestre. Um propósito que tem a ver com as expectativas de todos os brasileiros desde o nascimento da Petrobras em 3 de outubro de 1953


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Nordeste Renovável Nordeste Renovável
Com a força dos ventos e a incidência solar, o Nordeste desponta como oásis. Não só para o turismo, nem apenas no Litoral. Na geração de energia sustentável está a nova fonte de riqueza da Região, principalmente no interior
Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.
JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM