Jornal do Commercio
editorial

Editorial: 18 de maio tem que ser mais que uma marca no calendário

Neste data foi gravada por lei como Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

Publicado em 18/05/2018, às 07h14

Foram mais de 250 prisões em flagrante em 28 cidades do País, em 24 Estados mais o Distrito Federal / Foto: Divulgação/SBIE
Foram mais de 250 prisões em flagrante em 28 cidades do País, em 24 Estados mais o Distrito Federal
Foto: Divulgação/SBIE
JC Online

Este 18 de maio nos remete ao ano que cravou um gravíssimo capítulo de vergonha da nossa história: 1973. Foi quando jovens de classe média, filhos de gente tida como “importante”, violentaram e mataram uma menina de 8 anos no Espírito Santo. A data foi gravada por lei como Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes e para mitigar a vergonha nacional vem sendo lembrada. 

Já ontem, durante a operação Luz da Infância, deflagrada pelo Ministério da Segurança Pública, o tema da exploração infantil no Brasil veio à tona em volume e espanto. Foram mais de 250 prisões em flagrante em 28 cidades do País, em 24 Estados mais o Distrito Federal. Em Pernambuco, foram seis prisões.

Nos idos de 1988, foi dada força constitucional à defesa da criança e do adolescente, em 1990 essa proteção foi exposta em um Estatuto da Criança e do Adolescente somando-se ao Código Penal que tipifica crimes de estupro, de atentado violento ao pudor, com o que aparentemente estávamos dotados dos mecanismos de defesa dos vulneráveis. Contudo, o histórico dessa barbárie chega a níveis inacreditáveis e persiste, exigindo compromisso social mais que normas jurídicas. Basta ver que, apesar desse aparentemente civilizado e rigoroso arcabouço legal, em 27 de março de 2012 um tribunal inocentou um acusado de estuprar três
meninas de 12 anos que se prostituíam, considerando que “as vítimas, à época dos fatos, lamentavelmente já estavam longe de serem inocentes, ingênuas, inconscientes e desinformadas a respeito do sexo”. 



Outros casos

Para quem se escandaliza com esse caso, será sempre imperioso lembrar o que aconteceu em 2007 em Abaetetuba, no Pará: no dia 21 de outubro, uma menor foi presa sob a acusação de tentar furtar um telefone celular e uma juíza de direito mandou a garota de 15 anos para uma cela ocupada por mais de 20 homens. Ali a menor passou 26 dias sujeita à voracidade sexual dos machos, que não apenas a estupravam seguidamente como apagavam cigarros no seu corpo. A juíza responsável por essa barbaridade teve como “punição” deixar de trabalhar por dois anos, sem deixar de receber a generosa remuneração paga à magistratura.

Esses são exemplos de que o 18 de maio tem que ser mais que uma marca no calendário, acrescentando-se que o rigoroso e amplo arcabouço legal não impede a barbárie e todos devemos estar advertidos de que esse delito grave contra a humanidade está bem perto de nós. Ele está identificado pela Polícia Rodoviária Federal com o registro de mais de 2.400 pontos de exploração de menores, dos quais no Nordeste são 156 pontos críticos e 147 de alto risco. Assim, o que é preciso acrescentar para fazer desta data um clamor à natureza humana de todos os brasileiros?


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Nordeste Renovável Nordeste Renovável
Com a força dos ventos e a incidência solar, o Nordeste desponta como oásis. Não só para o turismo, nem apenas no Litoral. Na geração de energia sustentável está a nova fonte de riqueza da Região, principalmente no interior
Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.
JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM