Jornal do Commercio
editorial

Editorial: 18 de maio tem que ser mais que uma marca no calendário

Neste data foi gravada por lei como Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

Publicado em 18/05/2018, às 07h14

Foram mais de 250 prisões em flagrante em 28 cidades do País, em 24 Estados mais o Distrito Federal / Foto: Divulgação/SBIE
Foram mais de 250 prisões em flagrante em 28 cidades do País, em 24 Estados mais o Distrito Federal
Foto: Divulgação/SBIE
JC Online

Este 18 de maio nos remete ao ano que cravou um gravíssimo capítulo de vergonha da nossa história: 1973. Foi quando jovens de classe média, filhos de gente tida como “importante”, violentaram e mataram uma menina de 8 anos no Espírito Santo. A data foi gravada por lei como Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes e para mitigar a vergonha nacional vem sendo lembrada. 

Já ontem, durante a operação Luz da Infância, deflagrada pelo Ministério da Segurança Pública, o tema da exploração infantil no Brasil veio à tona em volume e espanto. Foram mais de 250 prisões em flagrante em 28 cidades do País, em 24 Estados mais o Distrito Federal. Em Pernambuco, foram seis prisões.

Nos idos de 1988, foi dada força constitucional à defesa da criança e do adolescente, em 1990 essa proteção foi exposta em um Estatuto da Criança e do Adolescente somando-se ao Código Penal que tipifica crimes de estupro, de atentado violento ao pudor, com o que aparentemente estávamos dotados dos mecanismos de defesa dos vulneráveis. Contudo, o histórico dessa barbárie chega a níveis inacreditáveis e persiste, exigindo compromisso social mais que normas jurídicas. Basta ver que, apesar desse aparentemente civilizado e rigoroso arcabouço legal, em 27 de março de 2012 um tribunal inocentou um acusado de estuprar três
meninas de 12 anos que se prostituíam, considerando que “as vítimas, à época dos fatos, lamentavelmente já estavam longe de serem inocentes, ingênuas, inconscientes e desinformadas a respeito do sexo”. 



Outros casos

Para quem se escandaliza com esse caso, será sempre imperioso lembrar o que aconteceu em 2007 em Abaetetuba, no Pará: no dia 21 de outubro, uma menor foi presa sob a acusação de tentar furtar um telefone celular e uma juíza de direito mandou a garota de 15 anos para uma cela ocupada por mais de 20 homens. Ali a menor passou 26 dias sujeita à voracidade sexual dos machos, que não apenas a estupravam seguidamente como apagavam cigarros no seu corpo. A juíza responsável por essa barbaridade teve como “punição” deixar de trabalhar por dois anos, sem deixar de receber a generosa remuneração paga à magistratura.

Esses são exemplos de que o 18 de maio tem que ser mais que uma marca no calendário, acrescentando-se que o rigoroso e amplo arcabouço legal não impede a barbárie e todos devemos estar advertidos de que esse delito grave contra a humanidade está bem perto de nós. Ele está identificado pela Polícia Rodoviária Federal com o registro de mais de 2.400 pontos de exploração de menores, dos quais no Nordeste são 156 pontos críticos e 147 de alto risco. Assim, o que é preciso acrescentar para fazer desta data um clamor à natureza humana de todos os brasileiros?


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM