Jornal do Commercio
Editorial JC

Editorial: Brasil e seu poderoso agente no combate ao fumo

O que faz o Brasil receber atenção especial da OMS nessa matéria é a lei 12.546 de 2011, regulamentada em 2014

Publicado em 04/06/2018, às 07h25

Em dez anos, as doenças cardiovasculares foram responsáveis por 3.493.459 óbitos / Foto: EBC
Em dez anos, as doenças cardiovasculares foram responsáveis por 3.493.459 óbitos
Foto: EBC
JC Online

Na véspera do Dia Mundial sem Tabaco, 31 de maio, relatório da Organização Mundial da Saúde dá pontos a favor do Brasil quando informa que estamos a caminho de reduzir em mais de 50% a população de fumantes até 2025. Um caso pouco comum entre todos os países que estão sendo aconselhados a reduzir pelo menos 30% do consumo de tabaco até aquela data, meta que nem a OMS acredita que vai ser cumprida enquanto alerta que 3 milhões de pessoas morrem todos os anos por causa de doença cardiovascular causada pelo vício de fumar.

O que faz o Brasil receber atenção especial da OMS nessa matéria é a lei 12.546 de 2011, regulamentada em 2014, que proíbe o ato de fumar cigarrilhas, charutos, cachimbos, narguiles – espécie de cachimbo de água utilizado para fumar tabaco aromatizado – e outros produtos em locais de uso coletivo, como os espaços comuns de condomínios, restaurantes e clubes.

Muito antes da norma legal, o nosso País já contava informalmente com um poderoso agente no combate ao fumo, Roberto Carlos, que lançou no começo da década de 60 a palavra de ordem “É proibido fumar”, transformado em clássico do rock nacional. Apesar desse apoio respeitável e de adotar uma política considerada responsável, com aumento do preço do cigarro, restrições de espaços para os fumantes e uma campanha assustadora sobre os males do fumo, com cenas de terror estampadas nos maços de cigarros, mesmo assim o nosso País ainda precisa prestar mais atenção ao problema.



Dados

Diagnóstico do Instituto Nacional do Câncer dá conta de que o tabagismo é responsável por 45% das mortes causadas por infarto agudo do miocárdio em pessoas com menos de 65 anos. Em dez anos, as doenças cardiovasculares foram responsáveis por 3.493.459 óbitos, o dobro das mortes provocadas por todos os tipos de câncer somados, três vezes mais que os óbitos por doenças respiratórias e 6,5 vezes mais que as mortes por infecções, incluindo a aids. Esses dados deveriam ser suficientes para avançar no combate ao fumo, independente do esforço do poder público para alardear e até instalar pânico diante de um vício tão mortal e tão caro ao sistema de saúde do País.

Mesmo com a força da lei e o terror da propaganda negativa, ainda é possível encontrar cigarros nacionais disputando mercado com os produtos “made in Paraguai”, só Deus sabe de que procedência e em que condições confeccionados, que chegam ao mercado através de contrabando. O que fazer, além de tantas restrições? Persistir, insistir, educar para impedir que os jovens ocupem os lugares das vítimas de outras gerações.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM