Jornal do Commercio
Ministério

Eunício Oliveira indica relator da CPI do HSBC e diz que PMDB não quer MEC

As denúncias envolvendo o banco HSBC indicam que a filial da Suíça ajudou clientes a esconder recursos que poderiam ser de origem ilícita

Publicado em 19/03/2015, às 22h25

O senador Eunício de Oliveira, o presidente do Senado, Renan Calheiros e o vice-presidente da República, Michel Temer / Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O senador Eunício de Oliveira, o presidente do Senado, Renan Calheiros e o vice-presidente da República, Michel Temer

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Da ABr

O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), informou hoje (19) que indicará o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) para relator da Comissão Parlamentar de Inquérito do HSBC. O pedido de criação da CPI foi apresentado pelo PSOL e alcançou o número de assinaturas necessárias em fevereiro. Faltava apenas a indicação dos membros. A expectativa é que a CPI possa ser instalada já na próxima semana.

“Conversei com o senador Ricardo Ferraço. Como a relatoria cabe ao PMDB, vou indicá-lo para relator da matéria. Semana que vem. teremos condições de fazer a instalação”, afirmou o líder. Com a segunda maior bancada do Senado, coube ao PT indicar o presidente da comissão.

As denúncias envolvendo o banco HSBC indicam que a filial da Suíça ajudou clientes a esconder recursos que poderiam ser de origem ilícita, além de possibilitar práticas de sonegação fiscal. Entre os correntistas envolvidos, 8,7 mil são brasileiros. O envolvimento não significa que todos tenham praticado alguma irregularidade.

Eunício Oliveira confirmou que avocou para si a relatoria da Medida Provisória 670, que prevê reajustes escalonados da tabela do Imposto de Renda. Após negociação do governo com os parlamentares da base aliada, a MP foi editada estipulando escalonamento na correção das diversas faixas de renda, variando de 4% a 6,5%. O líder adiantou que não fará modificações no texto enviado pelo Executivo.

“Foi um acordo com a presidenta da República, ministro da Fazenda e líderes que compõem a base de sustentação do governo. Portanto, a MP 670 será preservada na íntegra. Primeiro, fizemos o acordo e depois o governo enviou a medida provisória nos moldes do entendimento com o Congresso Nacional. Avoquei a relatoria exatamente para preservar o acordo”, acrescentou.

Eunício também comentou a demissão do ministro da Educação, Cid Gomes, que revoltou parlamentares ao reafirmar o que dissera em encontro numa universidade do Pará, quando afirmou que existem 300 a 400 achacadores na Câmara dos Deputados.

O líder do PMDB classificou o episódio como o pior momento de sua vida pública. Segundo ele, Gomes não ofendeu pessoas, mas ao Poder Legislativo. “Lamentamos muito, porque a presidenta Dilma esteve no Congresso Nacional no fm do ano, quando disse que o Brasil deve ser – e nós entendemos que deve ser – a pátria educadora. De repente, um ministro da Educação mal educado, agride um outro Poder da República. Ele não agrediu A ou B. Ele agrediu o Poder como um todo”, ressaltou.

Eunício Oliveira garantiu que o PMDB não tem interesse em ocupar o Ministério da Educação. “O PMDB modulou sua relação na questão entre Legislativo e Executivo. O PMDB quer viver um novo momento, que é o de não discutir cargos, mas sim os interesses da população brasileira”, concluiu.

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM