Jornal do Commercio
RÉU

Rede pede que Renan deixe presidência do Senado

A legenda espera garantir a possibilidade de Renan Calheiros sair da linha sucessória

Publicado em 04/12/2016, às 17h59

Renan se tornou réu no STF por crime de peculato / Foto: Agência Brasil
Renan se tornou réu no STF por crime de peculato
Foto: Agência Brasil
Estadão Conteúdo

Autor da ação que questiona no Supremo Tribunal Federal (STF) se políticos que são réus podem estar na linha sucessória da Presidência da República, o partido Rede Sustentabilidade pede o afastamento do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) da presidência do Senado. Renan é um dos principais alvos das manifestações pelo País neste domingo (4). 

Em julgamento na semana passada, o senador se tornou réu no STF por crime de peculato e tem seu cargo ameaçado se a Corte entender que ele não pode presidir a Casa por causa dos processos em que é investigado. A ação impetrada pela Rede já tem votos da maioria dos ministros do Supremo entendendo que réus não podem estar na sucessão, mas teve um pedido de vistas do ministro Dias Toffoli e não há data para que o julgamento seja retomado. 

O porta-voz nacional da Rede, José Gustavo Fávaro Barbosa, afirmou em nota, que a legenda espera garantir a possibilidade de Renan Calheiros sair da linha sucessória. "Já emplacamos a prisão do Cunha com a cassação dele na Câmara e agora é garantir essa possibilidade do Renan Calheiros sair dessa linha sucessória. Isso mostra que a Rede atua de forma diferente pela política do País e não somente nas urnas", disse.

Marina Silva

A ex-senadora e líder do partido Rede Sustentabilidade, Marina Silva, divulgou um artigo defendendo as manifestações realizadas neste domingo em apoio à Operação Lava Jato. Para Marina, as dez medidas de combate à corrupção, propostas pelo Ministério Público Federal (MPF), foram "atropeladas" para atender a "interesses pessoais e partidários mesquinhos."

Em nome da Rede, Marina Silva afirmou que o partido apoia as investigações da Operação Lava Jato. Ela também defendeu a adoção das dez medidas como forma de institucionalizar o combate à corrupção pelo patamar de dar um fim à "quase certeza de impunidade". "Para isso, é fundamental abraçar essas propostas e lhes dar cada vez mais a musculatura do apoio social, bem como à consolidação dos trabalhos da operação Lava Jato", diz o artigo.

 

 

Recomendados para você


Comentários

Por Mercia Gouveia,04/12/2016

Ainda bem que temos um SERGIO MORO como um juiz, de grande saber jurídico e de uma reputação ilibada. Posso imaginar como estes políticos corruptos, devem ter MUITA INVEJA DESTE GRANDE JUIZ. E ainda temos na Suprema Corte pessoas que nos envergonham, adotando medidas para que o presidente do senado continue no cargo mesmo sendo RÉU.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM