Jornal do Commercio
NOMEAÇÃO

Após decisão do STF, defesa de Lula pede 'revisão de erro histórico'

A defesa do ex-presidente reagiu imediatamente à decisão do ministro Celso de Mello sobre nomeação de Moreira Franco

Publicado em 15/02/2017, às 07h31

Em março de 2016, Dilma tentou nomear Lula ministro-chefe da Casa Civil, mas foi barrada / Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Em março de 2016, Dilma tentou nomear Lula ministro-chefe da Casa Civil, mas foi barrada
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reagiu imediatamente à decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, que garantiu foro privilegiado e a nomeação de Moreira Franco no cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência do governo Michel Temer. Em março de 2016, a então presidente Dilma Rousseff tentou nomear Lula ministro-chefe da Casa Civil, mas foi barrada por decisão do ministro Gilmar Mendes.

Inconformados com a decisão relativa a Moreira Franco, os defensores do petista protocolaram na Corte máxima nesta terça-feira, 14, nova petição nos autos de dois Mandados de Segurança solicitando que os recursos que interpuseram em favor do ex-presidente sejam levados a julgamento do colegiado "a fim de reparar dano histórico consistente no impedimento imposto por decisão proferida pelo ministro Gilmar Mendes para que Lula assumisse o cargo de Ministro de Estado para o qual havia sido nomeado pela então presidente Dilma Rousseff".

Na ocasião, Lula estava sob investigação da Polícia Federal na Operação Lava Jato. No dia 4 de março, o petista foi conduzido de forma coercitiva pela PF. Dias depois, Dilma decidiu nomeá-lo ministro da Casa Civil.

Os investigadores avaliaram que a então presidente dava curso a uma estratégia para dar foro privilegiado a Lula e assim evitar que o juiz federal Sérgio Moro, da Lava Jato, decretasse uma eventual prisão do petista.

O mesmo expediente, livrar Moreira Franco das mãos de Moro, teria sido adotado pelo presidente Michel Temer, segundo partidos políticos que se insurgiram contra a nomeação do peemedebista e ingressaram com ações no Supremo. Nesta terça-feira, 14, o ministro Celso de Mello, garantiu o foro especial a Moreira Franco.

"A revisão da decisão proferida pelo ministro Gilmar Mendes em relação a Lula é necessária para que um ato jurídico válido e legítimo, que foi a nomeação de Lula para o cargo de Ministro de Estado, não fique com uma indevida mácula histórica", sustentam os advogados Cristiano Zanin Martins e Roberto Teixeira.

"Esse pedido foi motivado pela decisão também proferida nesta data pelo ministro Celso de Mello, que não impôs qualquer obstáculo à nomeação do sr. Wellington Moreira Franco, valendo-se para tanto dos mesmos fundamentos que apresentamos ao STF para reverter as decisões proferidas contra Lula", assinalam os advogados. "Ou seja, para uma situação em tudo e por tudo idêntica, foram utilizados diferentes critérios", protestam.

Segundo advogados, Lula preenchia requisitos para o cargo de ministro

Segundo seus advogados, Lula preenchia todos os requisitos previstos no artigo 87 da Constituição Federal para o cargo de ministro de Estado, "além de estar em pleno exercício de seus direitos políticos". "Ele não era indiciado ou réu naquele momento", enfatiza a defesa. "Nada justifica o impedimento imposto, que teve graves efeitos não só em relação à honra e à imagem de Lula, mas também para a democracia do País", finalizam os advogados.

 

Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Rafael,15/02/2017

Chora mais Sergio, fica aí de mimimi

Por sergio,15/02/2017

CELSO DE MELLO, O MAIOR ESTRUME DO STF, O JUDICIÁRIO É NOJENTO, PODRE, FÉTIDO COMPOSTO DE MAUS CARÁTER, IMUNDOS, PORCOS E QUE AINDA SÃO APOSENTADOS DE FORMA COMPULSÓRIA, O JUDICIÁRIO NÃO PASSA DE EMPREGADINHOS DA REDE GLOBO.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM