Jornal do Commercio
Sem alarde

Câmara ganhará novo prédio em Brasília por R$ 44,7 milhões

As obras começaram em abril de 2014 e vão abrigar os almoxarifados e alguns setores administrativos

Publicado em 11/03/2017, às 09h20

Com o crescimento do número de partidos, comissões e assessores nos últimos anos, o espaço físico se tornou um dos principais problemas da Câmara / Foto: Reprodução/ Câmara dos Deputados
Com o crescimento do número de partidos, comissões e assessores nos últimos anos, o espaço físico se tornou um dos principais problemas da Câmara
Foto: Reprodução/ Câmara dos Deputados
Estadão Conteúdo

Sem alarde, a Câmara dos Deputados deverá concluir em agosto a construção de um novo prédio em Brasília, obra que terá custo final de R$ 44,7 milhões. As obras começaram em abril de 2014 e vão abrigar os almoxarifados e alguns setores administrativos.

Chamado de Centro de Gestão e Armazenamento de Materiais (Ceam), o novo prédio também vai acomodar órgãos de apoio, como setores do Departamento de Material e Patrimônio e da Polícia Legislativa. A ocupação do prédio se dará em seis meses, após a instalação da infraestrutura de informática, do sistema de segurança e do mobiliário.

O edifício fica distante do entorno do Congresso Nacional, numa área administrativa do Distrito Federal conhecida por concentrar concessionárias de veículos, indústrias e atacados. O terreno antigamente comportava três galpões da década de 60 que estavam mal conservados e, por isso, a Câmara optou por substituir a velha estrutura por um novo prédio.

Segundo a assessoria de imprensa da Casa, os espaços na Câmara deixados pelos setores que serão transferidos para o novo prédio vão abrigar outros setores. Estudos estão sendo feitos para priorizar as áreas que serão desocupadas para atividade legislativa.

 

Parlashopping

Com o crescimento do número de partidos, comissões e assessores nos últimos anos, o espaço físico se tornou um dos principais problemas da Câmara. Na gestão do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a Casa desengavetou o projeto de construção de um novo anexo, que previa espaço para gabinetes e até lojas. 

Batizada de Parlashopping, a obra custaria R$ 1 bilhão. Parte dos recursos sairia do dinheiro arrecadado em 2007 com a venda da folha de pagamento dos servidores. O projeto do Parlashopping, entretanto, foi abandonado pelo atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). 

Além dos R$ 44,7 milhões da obra civil do Ceam, foi gasto R$ 1,095 milhão com o serviço de instalação de equipamentos elétricos para subestação de energia. Também foram pagos R$ 664 mil com o projeto de fundações, estruturas e instalações e mais R$ 8 mil com consultoria para identificação da eficiência energética do prédio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Crise, que crise !!!,11/03/2017

Enquanto temos 14 milhões de desempregados, outros tantos sem FGTS depositado, outros tantos sem receber 13º, ou só Deus sabe quando receberá o salário, estes pilantras que se servem da politica partidaria não sabem o que é crise, a crise só existe para quem é assalariado, para o cidadão, trabalhador e contribuinte, pra estes sim que sustentam os que se serve da politica partidaria, não vamos muito longe não, enquanto o desemprego, e a falta de dinheiro rola solta, os Deputados da ALEPE também tem seus mimos, graças a nós, seus patrões, ora vejamos, fora o plenarinho, ainda tem uma tV que serão instaladas dentro dos ônibus, para nos comunicarem que somos contribuintes e eleitores otários.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Mundo de Rafa O Mundo de Rafa
Rafael foi diagnosticado com síndrome de Asperger apenas aos 11 anos. Seus desenhos contam pedaços muito importantes da sua história. Exprimem momentos de alegria, de comemoração e também de desabafo, de dor
Gastos dos parlamentares pernambucanos Gastos dos parlamentares pernambucanos
Os deputados federais da bancada pernambucana gastaram, no 1º semestre deste ano, R$ 5,1 milhões em verbas de cotas parlamentares. Já os senadores gastaram R$ 692 mil. Os dados foram coletados com base no portal da transparência da Câmara e do Senado
Um metrô ainda renegado Um metrô ainda renegado
São 32 anos de operação e uma eterna luta por sobrevivência. Esse é o metrô do Recife

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM