Jornal do Commercio
RIO DE JANEIRO

Mulher de Sérgio Cabral não fará delação, diz advogado

O advogado lembrou que a defesa já tinha pedido a prisão domiciliar, o que fora negado pelo juiz

Publicado em 17/03/2017, às 17h05

O magistrado determinou que Adriana só poderá receber visitas de parentes até terceiro grau e de advogados / Foto: Reprodução/TV Globo
O magistrado determinou que Adriana só poderá receber visitas de parentes até terceiro grau e de advogados
Foto: Reprodução/TV Globo
Estadão Conteúdo

O advogado Alexandre Lopes, que defende a ex-primeira dama do Rio Adriana Ancelmo, afirmou nesta sexta-feira (17) que a decisão do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, de lhe conceder prisão domiciliar foi "uma surpresa", mas pontuou que não se deve comemorar. "O processo continua e é longo", afirmou, logo após audiência.

Ele negou a possibilidade de Adriana fazer um acordo de delação. "Há uma obsessão de parte da imprensa com delação premiada. O processo penal não se resume a delação e ela não tem a menor intenção de fazer uma delação contra quem quer que seja", rechaçou.

O advogado lembrou que a defesa já tinha pedido a prisão domiciliar, o que fora negado pelo juiz. "Foi surpresa, esperávamos conseguir no Superior Tribunal de Justiça; aqui, não".

Lopes afirmou ainda que o apartamento de Adriana, no Leblon, zona sul do Rio, estará pronto para atender às condições impostas pelo juiz - ausência de internet por meio de computador ou internet - na segunda-feira, e que a liberação dela dependerá da fiscalização que será feita pela Polícia Federal.

Petição

"Na segunda trarei petição dizendo que o apartamento está pronto, daí vai depender dele (Bretas) mandar uma fiscalização da PF no apartamento", afirmou. Só aí a ex-primeira-dama poderá deixar o complexo de presídios de Bangu, onde está há três meses.

O magistrado determinou que Adriana só poderá receber visitas de parentes até terceiro grau e de advogados e que ninguém que for ao seu encontro poderá portar celular. Sobre a dificuldade em se fiscalizar se a medida será cumprida, respondeu: "Terá que ser possível". A família de Adriana foi comunicada da decisão logo depois do anúncio pelo juiz, mas ela ainda não teria sido informada, disse.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM