Jornal do Commercio
PRESIDENTE DO SUPREMO

Cármen Lúcia não deixará o STF e conciliará função com o magistério

Mais cedo, havia sido especulada a possibilidade da ministra se aposentar em 2018

Publicado em 20/03/2017, às 16h35

A presidente deu palestra em aula inauguração de uma faculdade, em Minas / Foto: Agência Brasil/Arquivo
A presidente deu palestra em aula inauguração de uma faculdade, em Minas
Foto: Agência Brasil/Arquivo
Estadão Conteúdo

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, afirmou nesta segunda-feira (20) que pretende combinar a função de presidente do STF com o magistério. A ministra disse que quer voltar a dar aula no princípio de 2018 na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC), em Belo Horizonte. Cármen Lúcia é professora licenciada da instituição, lotada na Faculdade Mineira de Direito (FMD). "Estou com saudades dos meus meninos", disse, se referindo a alunos. Questionada se seria possível acumular os dois trabalhos, Cármen Lúcia afirmou que sim, dando exemplo do ex-ministro Teori Zavascki, que foi professor na USP enquanto integrante do tribunal.

A presidente deu palestra em aula inauguração da faculdade, nesta segunda-feira (20). Na chegada à escola, passou por protesto contra o STF e foi chamada por uma manifestante de golpista. A ministra avaliou como normal o protesto. "É da democracia. Se não fosse aqui, seria na sala de aula", afirmou.

Presidência do Supremo

Cármen Lúcia tomou posse como presidente do Supremo em setembro do ano passado para mandato de dois anos. Mineira, ela foi indicada ao tribunal em 2006 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A ministra foi advogada e procuradora do Estado de Minas Gerais. Ela é a segunda presidente mulher do Supremo. A primeira a assumir o posto foi a ministra Ellen Gracie, também a primeira mulher a integrar a Corte.

 


Recomendados para você


Comentários

Por Clovis,20/03/2017

Claro que dá para acumular as funções: uma em Belo-Horizonte e outra em Brasília!! É só pegar um ônibus que faça a linha STF-PUC, ou na falta dele, um taxi ou uber. Só não me digam que é de avião e que todo esse deslocamento (avião, taxi de/para aeroporto, etc) serão custeadas com dinheiro público !! ha ha ha... desse jeito vamos longe com tanto gasto público.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM