Jornal do Commercio
VOTAÇÃO

Congresso será o 'senhor' da reforma da Previdência, diz Temer

Afirmação do presidente confirma o reconhecimento das mudanças do texto enviado pelo governo ao legislativo

Publicado em 20/03/2017, às 13h20

Temer destacou que a proposta do Planalto iguala as regras para os diversos setores de empregados  / Foto: Agência Brasil
Temer destacou que a proposta do Planalto iguala as regras para os diversos setores de empregados
Foto: Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O presidente da República, Michel Temer, voltou a falar que o Congresso é o "senhor" da reforma da Previdência, sinalizando que reconhece prováveis mudanças no texto que o governo encaminhou ao Legislativo e que está sendo discutido na Câmara. O peemedebista discursou na posse do Conselho Administração da Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham), na capital paulista. 

"O Congresso é o senhor desta matéria agora porque é lá que se dará o debate", disse o presidente. Ele lembrou que, após aprovada a proposta, a reforma não dependerá de sanção do Executivo porque a PEC já será promulgada no Congresso. "Nós temos a convicção de que os companheiros congressistas tem consciência da necessidade de se fazer o ajustamento da Previdência", afirmou. 

Ele destacou que a proposta do Planalto iguala as regras para os diversos setores de empregados e defendeu a idade mínima estabelecida no projeto, de 65 anos, falando que são "pouquíssimos" os países que não têm estabelecido o limite. Ele destacou que a reforma vai ajudar no controle das contas públicas.

Reforma trabalhista

Temer afirmou ainda que a reforma trabalhista é mais facilmente 'aprovável' do que uma emenda constitucional, pois precisa apenas de maioria simples na Câmara e no Senado para ser aprovada. "Suponho que logo será aprovada essa readequação trabalhista", declarou. 

Ele defendeu a valorização das negociações coletivas de trabalho, que consta no projeto, e disse que o projeto regulamenta o que já está garantido na Constituição. 

O presidente destacou o diálogo que o governo estabeleceu com o Congresso e disse que isso garantiu a aprovação de medidas "difíceis", como o teto de gastos. Para ele, as reformas são "corajosas" e fazem com que o Brasil volte a crescer. "Nós não tomamos medidas populistas, mas temos absoluta certeza de que são medidas populares", destacou. 

O presidente destacou que populistas são medidas com efeito imediato, mas irresponsáveis. Para as medidas populares, Temer disse que "lá adiante" é que o benefício que elas trazem serão reconhecidos.

 

 

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM