Jornal do Commercio
Lava Jato

Delator relata encontros com Lula sobre triplex e visita ao Guarujá

Léo Pinheiro confessou duas reuniões no Instituo Lula para falar sobre o apartamento. Ex-presidente ainda indicou local de encontro com empreiteiro para visitar o imóvel

Publicado em 20/04/2017, às 21h30

Delator afirma encontro com Lula sobre triplex  / Foto: Reprodução/Internet
Delator afirma encontro com Lula sobre triplex
Foto: Reprodução/Internet
Estadão Conteúdo

O ex-presidente da OAS José Aldemário Pinheiro, o Léo Pinheiro, confessou ao juiz federal Sérgio Moro, dos processos da Operação Lava Jato, que o triplex 164-A, do Edifício Solaris, no Guarujá, pertencia a Luiz Inácio Lula da Silva. Em cerca de duas horas de depoimento, ele relatou dois encontros com o ex-presidente no Instituto Lula para tratar do imóvel e detalhou visita feita pelo petista, em janeiro de 2014, à propriedade.

"Eu procurei o presidente, em novembro ou dezembro de 2013, expus a ele o estágio que já estava o prédio lá de Guarujá, estava num estágio muito avançado, e queria saber dele como deveríamos proceder, se havia alguma pretensão da família em fazer alguma modificação, como proceder em relação a titularidade", afirmou Léo Pinheiro, réu em um processo, ao lado de Lula.

"O presidente disse: olha, eu vou ver com a família e lhe retorno."

Moro quis saber onde aconteceu esse encontro. "No Instituto Lula, lá no Ipiranga."

Para a Lava Jato, a aquisição do empreendimento pela OAS, em 2009, da Bancoop, e a reforma do apartamento foi propina da empreiteira para o ex-presidente.

Visita

O empreiteiro relatou um segundo encontro em que foi acertada uma visita ao imóvel.

"Em janeiro de 2014 o presidente me chamou no Instituto eu estive com ele. E ele me disse: 'olha, eu gostaria de ir com minha esposa visitar o apartamento, você pode designar alguém?'"

Léo Pinheiro disse que iria pessoalmente.

"Marcamos uma ida, foi ele, a esposa. Marcamos na via Anchieta, ele deu o número do portão de uma fábrica, que eu ficasse ali, que ele sairia de casa e no horária combinado ele passaria, ele iria no carro dele e gente no nosso."

O empreiteiro remontou em seu depoimento a visita. "Fomos no Guarujá, entramos pela garagem. Foi uma visita de uma hora e meia duas horas", afirmou. Segundo ele, estavam ele, o presidente, a ex-primeira-dama Marisa Letícia, morta em fevereiro, e quatro pessoas da OAS.

De acordo com o ex-presidente da OAS, que tenta pela segunda vez um acordo de delação premiada com a Lava Jato, o triplex "nunca foi colocado à venda pela OAS".



"Eu tinha uma orientação para não colocar a venda porque pertenceria à família do ex-presidente."

Léo Pinheiro explicou que a OAS comprou o Edifício Solaris no Guarujá, em 2009, da Bancoop - que estava em falência - a pedido do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto.

Apesar da falta de interesse comercial no empreendimento, ainda em construção, Vaccari teria orientado a compra por envolver um imóvel de Lula. O negócio foi referendado posteriormente pelo presidente do Instituto Lula, Paulo Okamoto.

Defesa

Em nota, Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente Lula, afirmou:

"Léo Pinheiro no lugar de se defender em seu interrogatório, hoje, na 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, contou uma versão acordada com o MPF como pressuposto para aceitação de uma delação premiada que poderá tirá-lo da prisão. Ele foi claramente incumbido de criar uma narrativa que sustentasse ser Lula o proprietário do chamado triplex do Guarujá. É a palavra dele contra o depoimento de 73 testemunhas, inclusive funcionários da OAS, negando ser Lula o dono do imóvel.

A versão fabricada de Pinheiro foi a ponto de criar um diálogo - não presenciado por ninguém - no qual Lula teria dado a fantasiosa e absurda orientação de destruição de provas sobre contribuições de campanha, tema que o próprio depoente reconheceu não ser objeto das conversas que mantinha com o ex-Presidente. É uma tese esdrúxula que já foi veiculada até em um e-mail falso encaminhado ao Instituto Lula que, a despeito de ter sido apresentada ao Juízo, não mereceu nenhuma providência.

A afirmação de que o triplex do Guarujá pertenceria a Lula é também incompatível com documentos da empresa, alguns deles assinados por Léo Pinheiro. Em 3/11/2009, houve emissão de debêntures pela OAS, dando em garantia o empreendimento Solaris, incluindo a fração ideal da unidade 164A. Outras operações financeiras foram realizadas dando em garantia essa mesma unidade. Em 2013, o próprio Léo Pinheiro assinou documento para essa finalidade. O que disse o depoente é incompatível com relatórios feitos por diversas empresas de auditoria e com documentos anexados ao processo de recuperação judicial da OAS, que indicam o apartamento como ativo da empresa.

Léo Pinheiro negou ter entregue as chaves do apartamento a Lula ou aos seus familiares. Também reconheceu que o imóvel jamais foi usado pelo ex-presidente.

Perguntado sobre diversos aspectos dos 3 contratos que foram firmados entre a OAS e a Petrobras e que teriam relação com a suposta entrega do apartamento a Lula, Pinheiro não soube responder. Deixou claro estar ali narrando uma história pré-definida com o MPF e incompatível com a verdade dos fatos."


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM