Jornal do Commercio
Reforma da Previdência

Reforma da Previdência: Veja o que pode mudar para os professores

De acordo com parecer do relator da Reforma da Previdência, Arthur Maia (PPS-BA), será mantida a idade mínima de 60 anos para os professores

Publicado em 20/04/2017, às 13h58

O tempo mínimo de contribuição será de 25 anos, o mesmo da maioria dos setores no Regime Geral da Previdência / Foto: ABr
O tempo mínimo de contribuição será de 25 anos, o mesmo da maioria dos setores no Regime Geral da Previdência
Foto: ABr
Da Editoria de Política

O relator da Reforma da Previdência, deputado Arthur Maia (PPS-BA), em seu parecer lido na comissão especial que analisa a matéria na Câmara dos Deputados nesta quarta (19), manteve a idade mínima de 60 anos para professores de ambos os sexos, no serviço público e na iniciativa privada, o que é menor do que a regra geral de aposentadoria, de 65 para homens e 63 para mulheres. Na proposta enviada pelo governo, a categoria perdia as condições especiais.

Já o tempo mínimo de contribuição será 25 anos, o mesmo da maioria dos setores no Regime Geral da Previdência, exceto trabalhadores rurais, com tempo de contribuição de 15 anos. Os professores devem comprovar o tempo exclusivo de docência na educação infantil e no ensino fundamental e médio. 



Transição

No período de transição, a idade mínima do setor privado será de 48 anos (mulheres) e 50 anos (homens). No público, será de 50 (mulheres) e 55 (homens). Acrescendo-se um ano de idade a cada dois anos, até atingir a idade de 60 anos para ambos os sexos.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM