Jornal do Commercio
EX-MINISTRO

STF concede liberdade a José Dirceu

Por 3 votos a 2, a segunda turma do Supremo Tribunal Federal revogou a prisão preventiva determinada desde 2015

Publicado em 02/05/2017, às 18h20

José Dirceu estava preso desde 2015 / Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
José Dirceu estava preso desde 2015
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
JC Online

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por 3 votos a 2, na tarde desta terça-feira (2), pela liberação de José Dirceu. O ex-ministro estava preso preventivamente desde 2015, no Complexo-Médico Penal de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, por determinação do juiz federal Sérgio Moro. Voto decisivo foi dado pelo ministro Gilmar Mendes, presidente da segunda turma do supremo. Cabe agora à Justiça do Paraná analisar a aplicação de outras medidas alternativas à prisão, como o uso de tornozeleiras eletrônicas ou prisão domiciliar.

O julgamento teve início na semana passada, mas teve o desfecho adiado após os ministros da Segunda Turma concederem mais tempo para o Ministério Público Federal (MPF) e a defesa de Dirceu elaborassem suas sustentações orais.

O ministro Edson Fachin votou pela manutenção da prisão preventiva do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. Assim como o ministro Celso de Mello, que afirmou que não há ilegalidade no decreto de prisão inicial. O ministro Gilmar Mendes, presidente da segunda turma, deu o voto final para a liberdade do ex-ministro. Dias Toffoli seguiu a mesma linha, junto com o ministro Ricardo Lewandowski.

Na manhã desta terça-feira, o MPF ofereceu mais uma denúncia contra o ex-ministro no âmbito da Operação Lava Jato. Ele foi acusado de receber propina das empreiteiras Engevix e UTC, entre 2011 e 2014.



Em maio do ano passado, José Dirceu foi condenado a 23 anos de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Na sentença, Moro decidiu manter a prisão preventiva. Posteriormente, o ex-ministro da Casa Civil teve a pena reduzida para 20 anos e 10 meses. Ele foi acusado de receber mais de R$ 48 milhões por meio de serviços de consultoria, valores que seriam oriundos de propina proveniente do esquema na Petrobras.

Defesa

Na sessão de julgamento de habeas corpus de José Dirceu, o advogado do ex-ministro petista, Roberto Podval, clamou pela libertação após quase 2 anos de prisão preventiva e criticou duramente a força-tarefa da Lava Jato no Ministério Público Federal no Paraná por ter oferecido nova denúncia no dia em que o STF analisaria o pedido de liberdade.

"Eu acordo hoje com a informação dos representantes da imprensa que estavam recebendo releases de que uma nova denúncia teria sido oferecida na data de hoje pelo MPF-PR. Dois anos após a prisão preventiva, numa tentativa de intimidar este próprio advogado e a Corte, eles oferecem terceira denúncia e dizem que estão oferecendo para clarear o conhecimento sobre os fatos. O poder do MPF é tão grande e tão sério que não se pode trabalhar com essa irresponsabilidade. Não é correto, não é legal, não é ético", disse o advogado Roberto Podval.

Em relação ao pedido de liberdade, o advogado concentrou-se em argumentar que não há motivos para que Dirceu continue preso. Segundo Podval, o cliente "teve buscas e apreensões, toda a sua vida foi devassada, teve analisados computadores, telefones, abriu-se mão dos sigilos". Ele afirmou que "já há sentenças de primeiro grau nos dois processos que existiam em relação a José Dirceu. Qualquer hipótese de atrapalhar a investigação não existe".

 


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por frederico beltrao,03/05/2017

Mais um solto. Desta vez o cabeça de todo o esquema Mensalao e Lava Jato. Mas a Lei permite , então ficou livre . Quem conhece algum petisita sabe que eles são arrogantes e morrem negando que fazem coisas erradas . O povo já está vendo . Vejam por exemplo aGreve Geral do dia 28-4-17 . Foi mais ou menos. E no meiommuitos agitadores. O PT ainda não aceitou que não tem mais influência como tinha na população brasileira . E os Congressistas não atualizam Leis do século XIX . Só falta libertarem agora o Marcelo Odebrecht , e vai ser logo . Juízes como o Sergio Moro , Procuradores como o Deltan Dalagnol devem estar sendo ameaçados de morte . Estão todos caladinhos . É o fim mesmo . E depois de Temer quem virá .Os políticos no Brasil desde o descobrimento , quando Portugal repassou para o Brasil a dívida que tinha com a Inglaterra . Aí começou a corrupção.......

Por Alice,03/05/2017

É de se ter vergonha desse país.

Por VLADIMIR,03/05/2017

A BOMBA VAI ESTOURAR E A MERDA VAI COBRIR !!!!! É UMA QUESTÃO DE TEMPO !!!!!

Por lucas,03/05/2017

ABSURDO!!!! DAQUI A POUCO SOLTAM O CUNHA TAMBÉM PRECISAMOS VOLTAR ÀS RUAS

Por Fernando,02/05/2017

Supremo Tribunal FEDORENTO.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM