Jornal do Commercio
Impeachment

Maia não deve aceitar pedidos de impeachment de Temer, dizem aliados

A avaliação durante todo o dia era de que os áudios entre Temer e Joesley Batista, quando divulgados, tornariam a situação do governo ainda mais grave

Publicado em 18/05/2017, às 20h02

Em caso de renúncia ou impeachment do presidente Michel Temer, quem assume é o deputado Rodrigo Maia / Foto: Agência Câmara Notícias
Em caso de renúncia ou impeachment do presidente Michel Temer, quem assume é o deputado Rodrigo Maia
Foto: Agência Câmara Notícias
Estadão Conteúdo

Alvejado pela Operação Lava Jato e primeiro na linha sucessória da Presidência da República, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não deve aceitar os pedidos de impeachment do presidente Michel Temer baseados na gravação feita pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS, em que o peemedebista teria dado aval para compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Até a noite desta quinta-feira (18) tinham sido protocolados na Câmara oito pedidos de impeachment de Temer. Os pedidos foram protocolados na Mesa Diretora por deputados da oposição e até por partidos da base aliada. Um grupo de pelo menos sete parlamentares do PSDB, legenda considerada o principal aliado do governo Temer, protocolou um desses pedidos. A ação foi articulada pelo deputado João Gualberto (BA).

A Mesa Diretora também recebeu até agora dois pedidos de impeachment protocolados do deputado Alessandro Molon (Rede-RJ); um do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), um do deputado João Henrique Caldas (PSB-AL); outro do deputado Diego Garcia (PHS-PR) e um do deputado estadual de Goiás Junio Alves Araújo (PRP). A oposição também protocolou um pedido em conjunto, com apoio do PSB, que é da base.

"Sem chance de abrir impeachment. O Rodrigo é um cara comprometido com o País. Jamais trabalharia contra o Michel", afirmou o deputado Beto Mansur (PRB-SP), que esteve com o presidente da Câmara nesta quinta-feira. Até mesmo a oposição reconhece que Maia não deve acatar os pedidos. "Muito difícil", afirmou o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), que é próximo do parlamentar fluminense.



Maia não foi à Câmara nesta quinta-feira. Passou o dia cercado de deputados na residência oficial, entre eles, Pauderney Avelino (DEM-AM), Efraim Filho (DEM-OB), Rubens Bueno (PPS-PR), Benito Gama (PTB-BA) e Jutahy Júnior (PSDBBA). Alguns ministros, como o da Educação, Mendonça Filho (DEM), também participaram de reuniões na residência de Maia para discutir a situação do governo Temer.

As duas únicas vezes que o presidente da Câmara se ausentou foi quando foi chamado no Palácio do Planalto para conversar com Temer. Maia esteve no local pela manhã e à tarde. Ele acompanhou o pronunciamento do presidente da República no Planalto.

Situação grave

A avaliação durante todo o dia era de que os áudios, quando divulgados, tornariam a situação do governo ainda mais grave. Nas conversas, deputados da base aliada diziam esperar que Temer renunciasse por "bom senso". Eles avaliaram que a renúncia diminuiria a pressão sobre o presidente da Câmara pelo impeachment e poderia ser uma saída mais honrosa para Temer. Maia não comentou publicamente o assunto.

Na Câmara, já há um pedido de impeachment contra Temer aberto por ordem do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF). A decisão do ministro é de abril do ano passado. Desde então, a comissão especial que analisará esse primeiro pedido ainda não foi instalada na Casa. Isso porque líderes da base aliada resistem a indicar os membros do colegiado.


Recomendados para você


Comentários

Por uma pedra no sapato,19/05/2017

Apesar de achar que o vampiro deveria renunciar, acho que a melhor opção é não aceitar nenhum pedido de impeachment, no momento, pois submeteria o país a um desgaste muito maior. Melhor aguardar mais alguma coisa.

Por ED1960,19/05/2017

Uma denúncia gravíssima desta não pode ficar impune.estamos cercados de políticos corruptos e ladrão. Temer,tem que ser destituído do cargo.não foi á toa que o vampiro do Temer foi vice de Dilma.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM